Stress no escritório antes de ir de férias: cinco estratégias para o evitar

  • Ricardo Vieira
  • 1 Julho 2019

Antecipar é provavelmente a regra base antes de deixar o escritório para ir de férias. Mas há mais.

Adiantar trabalho, delegar tarefas, finalizar relatórios, antecipar necessidades: a to do list antes de ir de férias é longa e exigente. Para quem está prestes a ir de férias, a consultora Robert Walters definiu cinco dicas para evitar o stress antes de deixar o escritório para uns dias de descanso.

Se está prestes a ir de férias é isto que deve ter em atenção:

  1. Bloquear horas extra na agenda
    Reduzir a hora de almoço ou entrar mais cedo pode ser uma estratégia para não sentir a sobrecarga de trabalho e conseguir ir de férias descansado. “Além disso, é aconselhável não agendar reuniões importantes antes de sair, mas tentar marcá-las para alguns dias após o regresso ao trabalho”, refere a consultora.
  2. Definir lista de tarefas
    A lista de tarefas vai ajudá-lo a definir prioridade e perceber que trabalho tem de ficar fechado ou que projetos podem ser retomados depois das férias. Além disso, “certifique-se de tomar nota das coisas que já fez, aspetos importantes que ficaram por fazer e contactos de clientes e fornecedores relevantes com quem tenha algum projeto pendente e a que possa ser necessário dar seguimento, e dê uma cópia dessa lista aos seus colegas de trabalho”. Esta é uma forma de garantir que a equipa está a par do seu trabalho e que conseguirá responder a eventuais urgências na sua ausência.
  3. Definir “out of office” sem estar de férias
    Normalmente, a mensagem “fora do escritório” é utilizada desde o momento em que se está realmente de férias, “mas se começar a utilizá-la no dia anterior, perceberá que a chegada de emails diminui”, refere a Robert Walters, afirmando que “os emails são uma das coisas em que se perde mais tempo, pelo que este truque de antecipar a mensagem oferece-lhe um dia com mais tranquilidade antes de se ir embora para concluir a sua lista de tarefas e objetivos”.
  4. (Não) Estar acessível durante as férias
    Defina na sua empresa se deseja ou não ser contactado e em que circunstâncias é que poderão interromper as suas férias. “Pense num certo horário durante o dia, e decida se prefere que lhe telefonem ou enviem um email – ter isto definido facilitará a vida a todos. De qualquer forma, se deixar tudo bem organizado com um ponto de situação claro antes de se ir embora, evitará contactos desnecessários com pequenas dúvidas por parte dos seus colegas, que apenas o irão contactar em caso de urgência”.
  5. Não ter medo de desligar
    “O medo não ajuda a resolver nada. Afinal, são as suas férias, e a ideia é mesmo conseguir desligar-se do trabalho, a não ser que tenha alguma operação realmente urgente que o obrigue a estar atento. Uma boa preparação, assim como uma comunicação eficaz antes da partida, facilitarão muitíssimo o processo. Se os seus colegas estiverem devidamente informados, saberão o que fazer na sua ausência, por isso procure desfrutar dos seus merecidos dias de descanso sem se preocupar com o trabalho”, refere Marco Laveda, managing director da Robert Walters Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Stress no escritório antes de ir de férias: cinco estratégias para o evitar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião