Mestrado em gestão da Nova SBE é o 34.º melhor do mundo

O mestrado em gestão da Nova SBE voltou a repetir o feito de 2017. Está na lista do The Economist como um dos melhores mestrados de gestão do mundo. É o único curso português do ranking.

O ranking internacional do The Economist para 2019 volta a contar com uma business school portuguesa. O mestrado em gestão da Nova Schoolof Business & Economics (Nova SBE) foi eleito o 34.ºmelhor do mundo e é o único a representar Portugal na lista.

A lista “avalia a performance dos mestrados em gestão das diferentes business schools do mundo de acordo com critérios de excelência do ensino, empregabilidade, reach e diversidade de recrutadores, línguas de ensino, entre muitos outros”, explica a Nova SBE em comunicado.

Esta não é a primeira vez que a escola de gestão está nas bocas do mundo. Em 2017, a Nova SBE ocupou, igualmente, a 34.ª posição da lista do The Economist com o seu “Master in International Management”, continuando “a assumir-se como a única business school de origem portuguesa a subir ao pódio no que diz respeito às melhores instituições de gestão ao nível mundial”.

“A Nova SBE e, estou certo que toda a sua comunidade, orgulha-se hoje deste resultado. A posição que ocupamos mostra que estamos no caminho certo, no de consolidação da nossa estratégia de internacionalização”, afirma Daniel Traça, dean da Nova SBE, citado em comunicado.

Para Rita Campos e Cunha, associate dean, pre-experience studies da Nova SBE, este mestrado tem como objetivo “preparar os líderes do futuro: com motivação para aprenderem sempre, com qualidades éticas e preocupação com as pessoas e os seus problemas reais”.

O curso foi criado em 2010 e destina-se a alunos nacionais e internacionais de qualquer área que pretendam ter formação em gestão. “É por este motivo que os programas incluem disciplinas centrais da área de gestão, mas também áreas de especialidade, cadeiras optativas e módulos de desenvolvimento profissional”, explica a universidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mestrado em gestão da Nova SBE é o 34.º melhor do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião