Sonae vende mais e lucra 38 milhões no semestre

O volume de negócios aumentou 11%, com uma forte contribuição da Sonae MC, um "crescimento sólido" na Sonae IM e uma melhoria de desempenho da Worten e Sonae Fashion.

A Sonae lucrou 38 milhões de euros no primeiro semestre do ano. Face ao mesmo período de 2018, representa uma queda de 52,8% pois, nesse período, a venda da Outsystems foi incluída nas contas. Excluindo esse fator, o resultado líquido teria aumentado 24% graças ao reforço do volume de negócios e da rentabilidade operacional.

“A Sonae teve um primeiro semestre muito positivo, com forte crescimento, melhorias de rentabilidade e importantes marcos em termos de gestão de portefólio“, disse a nova CEO, Cláudia Azevedo, em comunicado enviado esta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O volume de negócios consolidado da Sonae aumentou 11% para 2.985 milhões de euros, com uma forte contribuição da Sonae MC, um crescimento sólido na Sonae IM e uma melhoria de desempenho da Worten e Sonae Fashion no segundo trimestre.

Já o EBITDA — lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações — cresceu 9,6% para 284 milhões de euros. O investimento ascendeu a 189 milhões de euros (mais 25,3% graças à expansão orgânica e aquisições) e a dívida líquida diminuiu 131 milhões de euros, situando-se atualmente em 1.755 milhões de euros.

A empresa liderada por Cláudia Azevedo destaca ainda que no segundo trimestre do ano a Sonae Sierra Brasil chegou a um acordo final para a fusão com a Aliansce Shopping Centers para criar o maior operador de centros comerciais no Brasil. A par disso, a Sonae IM anunciou o acordo com Mobileum para a venda da WeDo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae vende mais e lucra 38 milhões no semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião