Sonae responde a Sócrates. Empresa diz que “nunca pressionou nem tentou obter tratamentos especiais”

  • Lusa
  • 5 Julho 2019

Fonte da Sonae diz que acusações de José Sócrates não são novidade. Empresa diz que sempre exigiu ser tratada com equidade, rejeitando que tenha pressionado ou tentado obter tratamento especial.

A Sonae “nunca pressionou, nem tentou obter tratamentos especiais”, disse à Lusa fonte oficial, depois de o ex-primeiro-ministro José Sócrates ter acusado o presidente do grupo de pressão no caso da OPA lançada sobre a PT.

“Estas não são acusações novas e, como é óbvio, a Sonae nunca pressionou nem tentou obter tratamentos especiais, exige sim ser tratada com lisura e equidade”, afirmou fonte oficial do grupo liderado por Cláudia Azevedo (irmã de Paulo Azevedo) desde final de abril.

O ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates disse, em resposta escrita à comissão de inquérito à CGD, que o seu governo manteve neutralidade na OPA da Sonae à PT e a única pressão veio do então presidente da Sonae, Paulo Azevedo.

“Os argumentos que a empresa esgrimiu em defesa do seu plano aconteceram no âmbito do processo organizado pelo próprio governo, que pretendia comparar os benefícios dos dois projetos, tendo sido expressamente convocada para este efeito”, prosseguiu fonte oficial da Sonae, que considerou que “os argumentos que utilizou neste processo foram exatamente os mesmos que utilizou publicamente“.

Na resposta à comissão de inquérito à recapitalização e gestão da CGD, José Sócrates afirmou: “Posso e devo dizer que o único concorrente que efetuou abertamente essa pressão foi a Sonae. Dias antes da assembleia-geral o presidente do Conselho de Administração da Sonae, Dr. Paulo Azevedo, telefonou-me pedindo expressamente a intervenção do governo para que a Caixa Geral de Depósitos [CGD] votasse a favor da Sonae. Reafirmei, nesse telefonema, a nossa posição de neutralidade”.

Sócrates diz que nunca falou com o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, sobre a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da Sonae, nem recebeu dele “nenhum pedido ou pressão sobre este assunto nem direta, nem indiretamente”, assim como não recebeu “qualquer quantia monetária ou outro qualquer bem” do grupo BES, da empresa Lena ou de qualquer outra empresa.

O ex-governante diz que a posição do seu governo sempre foi de que “deveria ser o mercado a decidir”, e isso mesmo ficou explícito na assembleia-geral em que o Estado se absteve.

Sobre o voto da CGD, que também era acionista da PT, diz Sócrates que “o governo não deu qualquer orientação à Caixa Geral de Depósitos nem a nenhum dos seus administradores” e que o banco público votou apenas tendo em conta o seu interesse.

Sócrates afirma mesmo que a relação do seu governo com a PT “foi sempre conflituante”, porque o executivo queria aumentar a concorrência no setor das telecomunicações, enquanto a PT queria manter o seu poder no setor.

A OPA da Sonae sobre a PT foi lançada em 2006 e terminou em 2007, sem sucesso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae responde a Sócrates. Empresa diz que “nunca pressionou nem tentou obter tratamentos especiais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião