Concorrência investiga compra de dois fundos imobiliários pela Fidelidade

  • Lusa
  • 5 Julho 2019

Parte dos ativos imobiliários nos fundos são utilizados em regime de arrendamento por operadores hospitalares privados concorrentes da Luz Saúde, que pertence ao grupo Fidelidade.

A Autoridade da Concorrência (AdC) abriu uma “investigação aprofundada” à seguradora Fidelidade. Em causa está a operação de concentração que envolve a compra de dois fundos de investimento imobiliário, o Saudeinveste e o IMOFID, segundo anunciado esta sexta-feira o regulador.

“A Autoridade da Concorrência (AdC) decidiu abrir uma investigação aprofundada à operação de concentração que envolve a aquisição de controlo exclusivo, pela Fidelidade, de dois fundos de investimento imobiliário, anteriormente geridos por uma sociedade gestora de fundos do grupo CGD [Caixa Geral de Depósitos]”, avançou, em comunicado, a entidade presidida por Margarida Matos Rosa.

Na análise desta operação, a AdC considerou a “sua dimensão vertical”, tendo em conta que parte dos ativos imobiliários são utilizados “em regime de arrendamento, por operadores hospitalares privados concorrentes da Luz Saúde, empresa que integra o grupo Fidelidade, que passará a deter a gestão dos referidos fundos”.

A AdC decidiu assim dar início a esta investigação por considerar que, “perante os elementos recolhidos até ao momento, não se pode excluir” que a operação resulte em “entraves significativos à concorrência efetiva no mercado”, tendo em conta que foi identificada a possibilidade de vir a ocorrer “um encerramento do mercado aos operadores concorrentes da Luz Saúde que dependem daqueles ativos imobiliários”.

De acordo com a Lei da Concorrência, após as diligências da investigação, a AdC pode decidir não se opor ao negócio, se concluir que a operação, tal como notificada, “não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência nos mercados”, ou proibir o negócio se determinar que a concentração é suscetível de criar os referidos entraves, “com prejuízos para os utentes das unidades de cuidados de saúde hospitalares privadas”.

Esta é a segunda investigação aprofundada a operações de concentração que a AdC decide desde o início do ano, após ter passado, em maio, a investigação a operação que envolve o Hospital São Gonçalo de Lagos pelo Grupo Particular do Algarve.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concorrência investiga compra de dois fundos imobiliários pela Fidelidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião