Pardal Henriques no PDR? “Não me surpreendeu nada”

Pedro Nuno Santos garante que, após quatro meses de reuniões com Pardal Henriques, não fica "surpreendido" com a candidatura às legislativas. E acredita que pode haver acordo que evite a greve parcial

Está surpreendido com a candidatura de Pedro Pardal Henriques nas listas do PDR às legislativas de outubro? “Não, não me surpreendeu nada”, diz Pedro Nuno Santos em entrevista ao ECO24, o programa de economia da TVI24 e do ECO. O ministro das Infraestruturas e Habitação responde, em tom seco, ao anúncio do até agora porta-voz do sindicato dos motoristas de matérias perigosas e a cara das negociações com a Antram mediadas pelo Governo.

“Já são quatro meses a falar com ele, não me surpreendeu nada”, afirma Pedro Nuno Santos, mas rejeita fazer uma avaliação dessa decisão do advogado que protagonizou a greve dos motoristas e a rutura das negociações com a Antram, que deu origem a um novo pré-aviso de greve, desta vez parcial. “Limito-me a dizer que não me surpreendeu nada”, insiste.

Nesta entrevista exclusiva – transmitida na TVI24 a partir das 21h20 deste quinta-feira e com repetições noutros horários -, o ministro Pedro Nuno Santos vê sinais positivos nas últimas horas para um acordo que trave a greve às horas extraordinárias e fins de semana agendada para 7 a 22 de setembro. “Espero que esse acordo venha a existir”. E vê sinais de aproximação nas últimas horas? “As declarações que vi do presidente do sindicato são boas desse ponto de vista, embora ainda insista na pré-condição. Que fique claro, se, por alguma razão, a Antram aceitar a pré-condição, ficavamos contentes, para nós o que é importante é que haja entendimento entre as partes, mas pareceu-me haver vontade de se resolver”

As eleições legislativas de outubro, a renovação dos acordos à esquerda e o seu próprio futuro político num próximo Governo foram temas a que Pedro Nuno Santos não fugiu nesta entrevista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pardal Henriques no PDR? “Não me surpreendeu nada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião