Nova reviravolta na posição de Trump face à China anima Wall Street

Numa guerra comercial que parece ter novos episódios e reviravoltas a cada dia que passa, Donald Trump mudou a sua postura para um tom mais conciliador e os investidores ficaram mais otimistas.

Donald Trump voltou a mudar a sua postura em relação à China e os mercados acompanharam. A Bolsa de Nova Iorque abriu em alta, depois ter sido muito castigada nas últimas semanas. As palavras do Presidente norte-americano, que disse que responsáveis do Governo chinês terão entrado em contacto com a administração norte-americana para retomarem as negociações tendo em vista um acordo comercial, animaram os investidores mais uma vez.

O índice industrial Dow Jones abriu a valorizar 1,02% e o alargado S&P 500 subia 0,84%. Já o tecnológico Nasdaq valorizou 1,04%.

Entre os beneficiados estão grandes empresas mais dependentes do mercado chinês, como é o caso da Apple e da Boeing, mas também outras empresas do setor da tecnologia como a Intel e a Nvidia.

No final da semana passada, a administração norte-americana voltou a ameaçar com novas taxas aduaneiras sobre os restantes 300 mil milhões de dólares de importações chinesas para os EUA, com alguma confusão em torno da postura do Presidente, que rapidamente foi esclarecida pela Casa Branca em tom de ameaça: Donald Trump só terá tido dúvidas sobre se aplicava taxas ainda superiores às que foram decididas.

A confusão gerada pelas palavras contraditórias de Donald Trump parece não ter afetado os investidores norte-americanos no arranque da semana, que preferiram ignorar os comentários durante a reunião do G7, em que Trump se demonstrou empenhado na guerra comercial em curso com a China, preferindo ver as palavras de hoje como um sinal de esperança de que a reunião prevista para setembro com os responsáveis chineses venha mesmo a acontecer.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova reviravolta na posição de Trump face à China anima Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião