Quanto ganha um deputado?

Os deputados da Assembleia têm um salário bruto de 3.624,41 euros e um conjunto de apoios que engordam a remuneração final que levam ao fim do mês para casa.

Um deputado tem uma remuneração base fixa de 3.624,41 euros. A este valor é ainda preciso descontar o montante pago à Segurança Social e o IRS. No entanto, há outras parcelas que engordam o salário de um parlamentar e que o podem aumentar para lá dos cinco mil euros líquidos.

No site do Parlamento surgem algumas informações sobre o salário dos deputados. O vencimento ilíquido de um deputado é de 3.624,41 euros, um valor que é pago a qualquer deputado independentemente de exercer funções adicionais dentro do Parlamento, tais como vice-presidente da Assembleia, secretário de mesa da Assembleia ou presidente de Comissão Parlamentar.

Isto significa que o salário base é igual para José Manuel Pureza (deputado do Bloco de Esquerda e vice-presidente da AR), Duarte Pacheco (deputado do PSD e secretário de mesa) e para Ascenso Simões, deputado socialista que não acumula qualquer outra função dentro do Parlamento.

Apenas o presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues, tem direito a um vencimento ilíquido superior, de 5.799,05 euros.

A estes valores há que juntar as despesas de representação. Neste caso, já há diferenças conforme o cargo. Um deputado que não esteja em regime de exclusividade não recebe qualquer valor para pagar despesas de representação. Um parlamentar em regime de exclusividade aufere 370,32 euros, um montante que vai em crescendo até aos 2.370,07 euros pagos a título de despesas de representação ao presidente do Parlamento.

O salário dos deputados foi um dos temas mais polémicos esta legislatura, o que levou precisamente o socialista Ascenso Simões a publicar na sua conta privada nas redes sociais um recibo de vencimento. Um trabalho publicado pelo Observador analisava parcela a parcela e concluía que apesar de a base ser uma remuneração ilíquida de pouco mais de 3.600 euros havia um conjunto de parcelas que elevavam o salário líquido para um valor acima de 5.500 euros.

Para chegar a este número, somava-se ao salário base e às despesas de representação as ajudas de custo que financiam a presença em trabalho parlamentar e que dependem se o deputado é residente nos concelhos de Lisboa e limítrofes ou se é de fora desses municípios. São 69,19 euros por dia para os deputados que vem de longe ou 23,05 euros por dia para quem reside em Lisboa e concelhos limítrofes. O pagamento destes montantes depende da verificação da presença do deputado no Parlamento.

O recibo de vencimento de Ascenso Simões revelava ainda outras três parcelas que engordavam o que o deputado levava para casa ao final do mês: 376 euros por subsídio de deslocação fixo para compensar o facto de os deputados terem de se deslocar a vários pontos do país, os quilómetros pagos pela deslocação entre o local de residência e a AR (0,36 euros por quilómetro) e deslocações em trabalho político que servem para compensar os quilómetros feitos dentro do círculo eleitoral (0,36 cêntimos por quilómetro).

Estes valores não incluem os subsídios de férias e de Natal e ainda estão sujeitos à redução excecional de 5%, no vencimento mensal, decidida em 2010.

Na próxima legislatura entram em vigor novas regras com implicações no estatuto remuneratório dos deputados e que obrigam à apresentação de comprovativos nas despesas de deslocação.

Quanto custa carregar a bateria do seu telemóvel? Quantas árvores são precisas para fazer uma resma de papel? Quanto custa fazer uma prancha de surf? Quantos casamentos se fazem em agosto? De segunda a sexta-feira, até ao final de agosto, o ECO dá-lhe a resposta a um “Sabia que…”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quanto ganha um deputado?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião