Um trabalhador em Lisboa ganha mais 335 euros do que no Porto. Veja aqui qual o salário médio no seu distrito

Lisboa continua a ser o distrito no qual os salários para quem trabalha por contra de outrem são os mais elevados do país. Porto fica abaixo de Setúbal e é em Bragança onde se ganha menos.

Um trabalhador por conta de outrem em Lisboa ganha mais 25% do que a média nacional e mais 334 euros que no distrito do Porto. Na outra ponta está Bragança, onde um trabalhador por contra de outrem ganha menos 22,1% que a média do país, de apenas 1.133,3 euros por mês. Estes são valores brutos e que incluem prémios, subsídios e até horas extraordinárias.

De acordo com os dados dos quadros de pessoal do Ministério do Trabalho, referentes a 2017, o valor das remunerações dos trabalhadores por contra de outrem estão a aumentar desde 2015, com algumas das diferenças regionais a ficarem ligeiramente menores, mas as divergências ainda são grandes.

Em Lisboa, a remuneração média mensal é de 1.416,6 euros, mais 283,3 euros que a média nacional. O distrito de Setúbal surge em segundo lugar, com a remuneração média mensal nos 1.207,9 euros.

No Porto a remuneração média mensal é de 1.082,4 euros, abaixo do distrito de Lisboa e de Setúbal. Em comparação com Lisboa, a remuneração média mensal ganha por um trabalhador por contra de outrem é inferior em 334,2 euros.

Na outra ponta está Bragança, o distrito onde as remunerações são mais baixas (excluindo a Região Autónoma da Madeira e dos Açores), ficando-se pelos 882,6 euros, menos 22,1% que a média nacional e a 534 euros de diferença de Lisboa. Veja aqui a diferença das remunerações por distrito em 2017:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um trabalhador em Lisboa ganha mais 335 euros do que no Porto. Veja aqui qual o salário médio no seu distrito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião