BdP piora previsões para desemprego e antecipa aceleração de salários

  • Lusa
  • 12 Junho 2019

O Banco de Portugal reviu em alta a sua previsão para a taxa de desemprego entre 2019 e 2021. Antecipando também a continuação dos aumentos dos salários.

O Banco de Portugal (BdP) reviu esta quarta-feira em alta a sua previsão para a taxa de desemprego entre 2019 e 2021, antecipando também “alguma aceleração dos salários por trabalhador”.

No Boletim Económico de junho, divulgado esta quarta-feira, o BdP reviu em alta a sua previsão para a taxa de desemprego – que se fixou nos 7% em 2018antecipando que se fixe em 6,3% este ano, 0,2 pontos percentuais acima do previsto em março.

Para 2020, o banco central espera uma taxa de desemprego de 5,7% (5,5% estimados em março) e em 2021, o último ano da projeção, antecipa uma taxa de desemprego de 5,3% (face à anterior estimativa de 5,2%).

O BdP antecipa também a continuação dos aumentos dos salários. “A gradual redução dos recursos disponíveis no mercado de trabalho e o aumento da produtividade deverão contribuir para alguma aceleração dos salários por trabalhador ao longo do horizonte”, indica a instituição liderada por Carlos Costa.

O banco central acrescenta que, para além da evolução do rendimento disponível, “o consumo privado deverá beneficiar, à semelhança do ocorrido nos últimos anos, de condições de financiamento favoráveis ao longo de todo o horizonte, em particular da manutenção das taxas de juro em níveis historicamente baixos”.

O Banco de Portugal manteve esta quarta-feira a sua previsão de crescimento económico para 2019, em 1,7%, mas desceu em uma décima a estimativa para 2020, antecipando uma recuperação do investimento com algum abrandamento até ao fim do período de projeção.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP piora previsões para desemprego e antecipa aceleração de salários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião