Centeno diz que redução do défice mostra “consolidação” e “resiliência” da economia

  • Lusa
  • 27 Agosto 2019

O ministro das Finanças argumentou que “os números divulgados da execução orçamental” até julho “continuam a mostrar o processo de consolidação orçamental típico”.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, argumentou que “os números hoje [terça-feira] divulgados da execução orçamental” até julho “continuam a mostrar o processo de consolidação orçamental típico” de Portugal nestes quatro anos e a “resiliência da economia” nacional.

O ministro, em declarações aos jornalistas, em Monsaraz, no concelho de Reguengos de Monsaraz (Évora), quis “sublinhar” os “números hoje divulgados da execução orçamental até ao mês de julho”, os quais “continuam a mostrar o processo de consolidação orçamental típico que tem acontecido em Portugal nos últimos quatro anos”.

Temos uma execução do lado da despesa com a despesa primária a crescer 3,2%, totalmente em linha com aquilo que é o Orçamento do Estado (OE) aprovado em outubro do ano passado na Assembleia da República, e temos a receita fiscal a crescer, felizmente, acima daquilo que eram as projeções do Governo”, destacou.

E, segundo Mário Centeno, é “felizmente” porque esses números “mostram a resiliência da economia portuguesa naquilo que são as suas vertentes principais, quer nas exportações, quer no investimento, quer no consumo privado”.

Centeno, que é também presidente do Eurogrupo, falava aos jornalistas depois de o ministério que lidera ter publicado um comunicado que antecede a síntese de execução orçamental que será publicada ainda hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

No comunicado, o Ministério das Finanças indica que o défice das administrações públicas se fixou em 445 milhões de euros até julho, representando uma melhoria de 2.239 milhões de euros face ao mesmo período de 2018. A receita, pode ler-se na nota de imprensa, cresceu 6,5%, enquanto a despesa aumentou 1,6% nos primeiros sete meses do ano face ao período homólogo.

Mário Centeno interveio esta terça-feira numa sessão da jornada do Summer CEmp, um seminário intensivo e interativo dirigido a jovens e promovido pela Representação da Comissão Europeia em Portugal, organizado com o apoio da Câmara de Monsaraz e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo.

O ministro congratulou-se aos jornalistas por as receitas do IVA estarem “a crescer próximo de 9%” e por a receita do IRS ter “crescido sistematicamente acima de 4%, em linha com aquilo que são as receitas da Segurança Social, cujas contribuições estão a crescer acima de 8%, até ao mês de julho”.

“Estes são dados que provam que a economia portuguesa está preparada para os desafios que hoje enfrenta e que o Estado” e “a administração pública” têm “cumprido o seu papel, trazendo estabilidade nas contas públicas”, afirmou.

Aludindo ainda ao editorial publicado no domingo pelo jornal Financial Times, Mário Centeno considerou que essa publicação “deve deixar todos satisfeitos porque a imagem de Portugal hoje é uma imagem de credibilidade e de confiança”, sendo “estes números um pequeno contributo para esse processo”.

No editorial, o jornal britânico elogia o primeiro-ministro português e destaca as habilidades e as escolhas políticas de António Costa, referindo aquele diário económico internacional que o exemplo português é uma esperança para a Europa.

O Summer CEmp, que decorre até sexta-feira, na vila medieval de Monsaraz, com formatos práticos de aprendizagem como conversas improváveis e exercícios práticos para entender melhor o projeto Europeu, reúne um grupo diverso de 40 jovens universitários, que dialoga direta e informalmente com um leque de protagonistas da atualidade política e mediática sobre os possíveis cenários de futuro da Europa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno diz que redução do défice mostra “consolidação” e “resiliência” da economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião