Líder do BE defende aumento das pensões como uma das “grandes medidas a tomar”

  • Lusa
  • 28 Agosto 2019

Catarina Martins diz que o tema das pensões e reformas é um dos mais abordados pela população em todo o país e que, nas eleições de outubro, é preciso debater sobre “o que não chega”.

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu na terça-feira que o aumento das pensões e reformas deverá ser uma das “grandes medidas a tomar” na próxima legislatura devido à responsabilidade de “responder pela vida das pessoas”.

“Se queremos pensar numa economia forte, qualificada e numa democracia justa e de respeito às pessoas, as grandes medidas a tomar são aumentar as pensões, principalmente as pensões mais baixas, e permitir que quem tem 40 anos de descontos e 60 anos de idade tenha a reforma por inteiro. É isso que faz justiça a quem trabalhou uma vida”, disse Catarina Martins, em declarações aos jornalistas.

A coordenadora do BE falava durante uma arruada nas Festas de Corroios, no Seixal, distrito de Setúbal, onde referiu que o tema das pensões e reformas é um dos mais abordados pela população em todo o país e que, nas próximas eleições, em outubro, é preciso debater sobre “o que não chega”.

“Num dos contactos populares que tenho tido, uma senhora dizia-me que tinha tido uma carreira contributiva de 50 anos e tinha de pensão 300 euros porque se reformou ainda com as regras da direita de Mota Soares [ex-ministro no governo PSD/CDS]. E a pergunta que eu faço é: alguém neste país acha justo que depois de ter trabalhado 50 anos uma pessoa tenha 300 euros de pensão? É esse o país que queremos ou somos capazes de melhor?”, questionou.

A este propósito, uma cidadã que assistia às declarações aos jornalistas não se conteve e gritou: “Olhe, eu sou uma delas”.

Catarina Martins acrescentou de imediato que “é preciso olhar de frente para o problema” de termos um país em que há muitas pessoas que “têm de escolher entre pagar a renda da casa ou comer todos os dias”.

“Provámos com os aumentos ligeiros que fizemos de pensões [na atual legislatura] que toda a recuperação de rendimentos permitiu a criação de uma economia mais forte, permitiu a criação de emprego. Vamos então construir esse país mais justo. Não é do dia para a noite, mas tem de se fazer esse caminho de pensões justas, um caminho que vá aproximando as pensões mais baixas do salário mínimo nacional”, defendeu.

Neste sentido, a líder bloquista destacou que este caminho de “respeito por quem trabalha e por quem trabalhou” só será possível “com mais força à esquerda”.

“Toda a gente se lembra que em 2015 o PS queria deixar congeladas as pensões e não se comprometia com nenhum valor para o aumento do salário mínimo e, portanto, todos sabemos reconhecer com humildade que o caminho foi feito em conjunto e como foi importante a força da esquerda para recuperar salários e pensões”, sublinhou Catarina Martins.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Líder do BE defende aumento das pensões como uma das “grandes medidas a tomar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião