Carlos Moedas aponta duplicação de fundos para a ciência portuguesa como o seu legado

António Costa recebeu esta quinta-feira, em S. Bento, Carlos Moedas, cujo trabalho foi bastante "enriquecedor", disse, enaltecendo a relação "impecável" mantida pelo comissário com o Executivo.

Carlos Moedas, comissário europeu nomeado por Portugal que será substituído por Elisa Ferreira, apontou a duplicação dos fundos comunitários para a ciência em Portugal como o “legado” dos seus cinco anos com a pasta da Investigação, Ciência e Inovação. À saída de um encontro com António Costa para a “passagem de pasta” de Moedas, o primeiro-ministro enalteceu a “forma impecável” como correu a relação entre Governo e comissário europeu.

“Expresso grande orgulho pela forma como Portugal esteve representado nos últimos cinco anos na Comissão Europeia”, começou por dizer o primeiro-ministro depois do encontro com Carlos Moedas. “Foi muito enriquecedor para mim trabalhar com Carlos Moedas ao longo de estes anos. O país deve-lhe muito”, assegurou o António Costa, lembrando as “circunstâncias, por vezes muito difíceis” dos últimos anos, período durante o qual Carlos Moedas foi “um defensor incansável” do país.

Também o comissário europeu nomeado pelo PSD/CDS em 2014 agradeceu e enalteceu o apoio e a relação com o Executivo socialista nos últimos anos, que sempre esteve “acima dos partidos”. Seja em Bruxelas, seja em Lisboa, ambos “lutaram sempre para representar Portugal o melhor possível”.

Em relação ao seu mandato, Carlos Moedas salientou estar muito satisfeito com o seu legado, apontando a duplicação dos fundos destinados à ciência em Portugal desde 2014. “Estou muito contente pelo que se passou com a ciência em Portugal, que tinha apenas 500 milhões de euros em fundos, e deixo com mil milhões, é um pouco esse o meu legado”, destacou.

Além de Carlos Moedas, António Costa também recebeu esta quinta-feira Elisa Ferreira, o nome avançado pelos socialistas para um dos cargos de comissário europeu, escolha validada pelo próprio Moedas.

Em declarações à agência Lusa, o atual comissário com a pasta da Investigação, Ciência e Inovação já tinha afirmado o seu agrado por a escolha do primeiro-ministro, António Costa, ter recaído em Elisa Ferreira, que “foi sempre uma mulher de criar pontes e conseguir consensos”, aspeto importante nas funções que desempenhará nos próximos cinco anos no Executivo comunitário liderado pela alemã Ursula von der Leyen.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Moedas aponta duplicação de fundos para a ciência portuguesa como o seu legado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião