Caso BES? “É muito tempo para haver uma decisão judicial”

Em entrevista ao ECO, Assunção Cristas admite que a investigação ao caso BES está a demorar muito tempo e sinaliza que é necessário garantir que os "megaprocessos" não se arrastem.

Assunção Cristas critica o que classifica de “arrastar de megaprocessos” judiciais. “O Caso BES? Eu não conheço nem posso conhecer os detalhes do processo, mas do ponto de vista das pessoas, da opinião pública, e do CDS, é muito tempo para haver uma decisão, porventura devido à complexidade do processo, então, se calhar mais vale repartir processos”, afirma a líder do CDS em entrevista ao ECO, a publicar na íntegra esta quarta-feira.

A presidente do CDS revela, nesta entrevista, as prioridades para a justiça e no combate à corrupção, sem abdicar da garantia de independência do Ministério Público. “Nós temos uma verdadeira estratégia de combate à corrupção, com vários pontos de politica, quer meios para a PJ, quer para o Ministério Público…”, insiste.

“Agora, há casos públicos, judiciais, que se arrastam, e que não vou estar aqui a detalhar, mas é importante que tenhamos uma justiça com eficácia que não arraste megaprocessos. É preciso garantir que há mecanismos que repartam os processos quando eles se avolumam de forma tal que, basicamente, se vão arrastando anos e anos”, afirma Assunção Cristas.

Cristas defende a fusão do Conselho Superior da Magistratura com o dos Tribunais Administrativos e Fiscais, uma iniciativa que justifica uma revisão constitucional. “Entendemos que deve haver membros designados pelo Presidente da República, para reforçar a independência do órgão, mas entendemos que deve haver uma maioria de magistrados porque isso é o que corresponde às melhores recomendações internacionais para garantir que a justiça é independente”.

Nesta entrevista ao ECO, a líder do CDS defende uma estratégia agressiva de redução de impostos para as famílias e empresas e, questionada sobre as perspetivas de recessão internacional, questiona. “Se não é agora o tempo de descer impostos, quando é?

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caso BES? “É muito tempo para haver uma decisão judicial”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião