Criptomoeda do Facebook pode “limitar capacidade” do BCE na política monetária

  • Lusa
  • 2 Setembro 2019

Ao limitar a capacidade do BCE, a moeda digital do Facebook "converter-se-ia num risco potencial" para os Estados-membros da Zona Euro, advertiu Yves Mersch, membro da Comissão Executiva do BCE.

A criptomoeda do Facebook, a Libra, poderá “limitar a capacidade” do Banco Central Europeu (BCE) para estabelecer a sua política monetária, advertiu esta segunda-feira o membro da Comissão Executiva do supervisor do sistema financeiro europeu, Yves Mersch.

Numa conferência em Frankfurt, na Alemanha, Yves Mersch avisou que a criptomoeda do Facebook, ao limitar a capacidade do BCE, “converter-se-ia num risco potencial” para os Estados-membros da Zona Euro.

O grupo tecnológico Facebook e 27 outras entidades que formam a Associação Libra (entre elas Visa, Mastercard, Uber, Lyft, PayPal, eBay, Vodafone e Spotify) anunciaram a criação desta criptomoeda em 2020, podendo ser usada no WhatsApp e no Messenger.

“Dependendo do nível de aceitação da Libra e do papel do euro no cabaz de moedas de reserva, poderia reduzir o controlo do BCE sobre o euro”, avisou Yves Mersch, citado pela agência de notícias financeiras Bloomberg.

E prosseguiu: “Espero sinceramente que a população da Europa não seja tentada a deixar para trás a segurança e solidez das soluções de pagamentos estabelecidas”, lembrando que se trata de uma “cativante, mas traiçoeira promessa”.

Como explicou o Facebook aquando da apresentação da libra, no início de junho, a diferença para outras criptomoedas, como a bitcoin, teria a ver com o facto de a Libra estar apoiada num cabaz de ativos (subjacentes), nomeadamente noutras moedas e ter, além disso, uma reserva constituída por depósitos bancários e dívida de vários países, que estabeleceriam o seu valor.

Mersch alertou ainda para o risco que existiria no caso de ocorrer uma “redução da procura” da Libra, pois, advertiu, poderia afetar “a liquidez do sistema financeiro” da zona euro e do papel internacional da moeda comunitária”.

O membro da Comissão Executiva do BCE considerou também que “as moedas privadas têm poucas ou nenhumas perspetivas de tornarem-se alternativas viáveis às moedas emitidas pelos bancos centrais”.

“Espero sinceramente que a população da Europa não se sinta tentada a abandonar a segurança e a solidez das soluções e canais de pagamento estabelecidos a favor das promessas sedutoras, mas traiçoeiras, dos cantos de sereia do Facebook”, lembrou o responsável.

Mersch afirmou ainda que “o dinheiro somente pode cumprir a sua função se estiver apoiado por um Estado”, ou seja, “pelo setor público”, lembrando também que o ecossistema da Libra “é não só complexo, como é parecida a um cartel”, uma vez que, esclareceu, “os conglomerados de entidades empresariais só prestam contas aos seus acionistas e membros”, o que os diferencia dos bancos centrais.

Em 10 de julho, o presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed), Jerome Powell, disse no Congresso que o projeto de criptomoeda do Facebook, a Libra, suscitava “grandes preocupações” relativas a proteção de dados e estabilidade financeira.

Poucos dias depois, o grupo tecnológico Facebook assegurou que não lançaria a sua criptomoeda Libra até serem esclarecidas todas as “preocupações regulatórias e ter recebido as aprovações necessárias”, o que seria “um longo” caminho.

Os ministros das Finanças do G7, em 17 de julho deste ano, chegaram a um consenso sobre “a necessidade de agir rapidamente” quanto ao projeto de criação desta criptomoeda.

Aquando da apresentação pelo Facebook da Libra, o grupo tecnológico disse que a criptomoeda iria ser gerida pelo consórcio de empresas agrupadas sob a direção da Associação Libra, com sede em Genebra, Suíça.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criptomoeda do Facebook pode “limitar capacidade” do BCE na política monetária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião