G7 diz que é preciso “agir rapidamente” perante a Libra

  • Lusa
  • 17 Julho 2019

O projeto de criação da criptomoeda Libra anunciada em junho pelo Facebook está a criar inquietação. Os ministros das Finanças do G7 chegaram a um consenso sobre "a necessidade de agir rapidamente".

Os ministros das Finanças do G7 chegaram esta quarta-feira a um consenso sobre “a necessidade de agir rapidamente” quanto ao projeto de criação da criptomoeda Libra anunciada em junho pelo Facebook, indicou a presidência francesa do grupo.

“Sobre a Libra, tivemos uma discussão muito construtiva e detalhada, com um largo consenso sobre a necessidade de agir rapidamente”, explicou uma fonte francesa, citada pela AFP, acrescentando que todos os participantes tinham manifestado “preocupação com a situação atual”.

Antes do início da reunião anual de ministros das Finanças das sete economias mais avançadas, o ministro francês, Bruno Le Maire, tinha considerado que não estavam reunidas as condições para o lançamento da Libra, previsto para 2020, congratulando-se por o seu homólogo norte-americano, Steven Mnuchin, já ter manifestado reservas em relação ao projeto.

“O Tesouro tem grandes preocupações em relação à Libra, que pode ser mal utilizada, para a lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo“, afirmou na segunda-feira o responsável norte-americano, na véspera de uma audição no comité financeiro da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos de David Marcus, responsável por este projeto da moeda virtual.

Em Chantilly, a norte de Paris, onde decorre a reunião de dois dias do G7, o ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, também expressou inquietação.

“Os ministros das Finanças e líderes de bancos centrais aqui reunidos têm sérias preocupações e decidiram examinar atentamente se todas as regras atuais são respeitadas (…) ou se têm de ser alteradas para garantir no futuro a estabilidade do sistema financeiro internacional”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

G7 diz que é preciso “agir rapidamente” perante a Libra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião