Facebook suspende lançamento da Libra até dúvidas do regulador estarem esclarecidas

A rede social vai suspender o lançamento da moeda digital até que todas as dúvidas do regulador estejam esclarecidas e todas as aprovações necessárias sejam recebidas.

Após ter sido anunciada a nova moeda digital do Facebook, a Libra, foram vários os pontos de interrogação levantados pelos mercados. Isto levou a rede social a anunciar a suspensão do lançamento da criptomoeda, até que todas as dúvidas do regulador fiquem esclarecidas. Os responsáveis vão ainda esperar até obter todas as “as aprovações apropriadas”.

“O tempo até ao lançamento foi projetado para ser um processo aberto e sujeito a supervisão e revisão regulatória“, escreveu David Marcus, presidente da Calibra, subsidiária do Facebook que ficará responsável por gerir a criptomoeda, citado pela Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

“Sabemos que precisamos de tempo para acertar isso. E quero esclarecer: o Facebook não vai lançar a moeda digital Libra até que tenhamos resolvido completamente todas as preocupações regulatórias e recebido as aprovações necessária“, lê-se no documento que deverá ser apresentado esta terça-feira durante uma audiência no Comité Bancário do Senado dos Estados Unidos.

O objetivo inicial da empresa de Mark Zuckerberg era lançar a Libra já no próximo ano, contudo não se sabe se este anúncio vai alterar esses planos. A moeda digital vai ser regulada pelas autoridades da Suíça, país onde será instalada a sede.

Marcus sublinhou ainda que a Libra não pretende competir com outras moedas nacionais de outros países, nem vai interferir com as políticas monetárias dos bancos centrais. “A Associação Libra não pretende competir com nenhuma moeda soberana ou de entrar na arena da política monetária”, escreveu Marcus.

Desde a notícia do lançamento, a Reserva Federal dos EUA, o Banco Central Europeu e o Banco de Inglaterra mostraram preocupações quanto aos efeitos que esta criptomoeda poderia ter nos mercados. Até mesmo Donald Trump não se mostrou convencido: “Não sou fã da Bitcoin nem de outras criptomoedas, que não são dinheiro, e cujos valores são muito voláteis e calculados com base no ar”, escreveu, no Twitter.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook suspende lançamento da Libra até dúvidas do regulador estarem esclarecidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião