Fed quer analisar moeda do Facebook antes de o projeto avançar. Libra “levanta muitas preocupações”, diz Powell

O presidente da Fed juntou-se ao Congresso e a Bruxelas nas intenções de analisar a criptomoeda do Facebook antes de o projeto avançar. Somam-se os obstáculos à Libra.

A moeda virtual do Facebook tem um novo adversário de peso — e nada mais, nada menos, do que o próprio Jerome Powell, presidente da Reserva Federal (Fed), que é o banco central dos EUA. Numa audição na Câmara dos Representantes, Powell disse que a Libra “não pode avançar” enquanto as autoridades não averiguarem o risco que uma moeda digital universal representa para a economia e o sistema financeiro mundial.

“A Libra [a criptomoeda que está a ser criada pelo Facebook] levanta muitas preocupações em torno da privacidade, da lavagem de dinheiro, da proteção dos consumidores e da estabilidade financeira. Não creio que o projeto possa avançar [sem que essas preocupações sejam endereçadas]”, afirmou o líder da Fed, citado pela Reuters.

O consórcio criado pelo Facebook em torno da Libra, que inclui a luso-britânica Farfetch, planeia lançar a moeda virtual na primeira metade de 2020. Mas várias vozes têm apelado a que o projeto seja suspenso, uma vez que engloba uma moeda virtual para pagamento de produtos e serviços na internet que tem um público-alvo potencial de mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo.

Jerome Powell, líder do banco central dos EUA, junta-se ao próprio Congresso, que enviou este mês uma carta aos responsáveis do Facebook e da Associação Libra a pedir que o desenvolvimento seja suspenso de imediato, para dar tempo de as autoridades avaliarem o projeto.

Na semana passada, em declarações ao ECO, um porta-voz da Comissão Europeia também deu como “provável” que a Libra tenha de obter primeiro uma “licença” para poder ser usada pelos cidadãos na União Europeia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed quer analisar moeda do Facebook antes de o projeto avançar. Libra “levanta muitas preocupações”, diz Powell

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião