Facebook quer esclarecer todas as dúvidas sobre a Libra em cerca de seis meses

O líder da Libra tinha dito que a moeda não seria lançada sem que as dúvidas dos reguladores fossem esclarecidas. Mas a data de lançamento mantém-se: é para avançar já em 2020.

O Facebook diz que é “categoricamente falso” que tenha suspendido o desenvolvimento da sua criptomoeda. Mas reitera o compromisso de responder a todas as dúvidas dos reguladores, ao mesmo tempo que mantém o primeiro semestre de 2020 como período previsto para o lançamento da Libra.

A empresa emitiu um comunicado em Portugal onde nega “os relatos” de que a empresa esteja a “interromper o desenvolvimento” da criptomoeda, que espera que se torne um novo meio de pagamento de produtos e serviços na internet.

“Os relatos de que estamos a cancelar a Libra ou interromper o desenvolvimento do Calibra é categoricamente falso. Esperamos trabalhar com decisores políticos à medida que este processo avança, e esta semana vamos responder inclusive às perguntas da House Financial Services e do Senate Banking Committee“, lê-se na nota enviada ao ECO.

Em causa está uma notícia avançada pela Bloomberg (acesso condicionado), que dava conta de que o Facebook não vai lançar a Libra enquanto todas as preocupações dos reguladores forem devidamente endereçadas. “O tempo entre o agora e o lançamento foi desenhado para ser um processo aberto e sujeito ao escrutínio e análise dos reguladores”, disse David Marcus, líder do projeto.

As declarações suscitaram a interpretação de que a empresa admitiria suspender o desenvolvimento do projeto. Pelo menos, enquanto as preocupações não estivessem totalmente resolvidas. Algo que a empresa vem agora negar de forma categórica.

Ora, como a empresa planeia lançar a Libra no primeiro semestre de 2020, significa que o Facebook está convencido de que as preocupações das autoridades — incluindo da Comissão Europeia e da própria Reserva Federal norte-americana — irão estar totalmente solucionadas em pouco mais de seis meses. Uma hipótese que poderá sair ao lado nos planos de Mark Zuckerberg, tendo em conta que um dos aspetos que têm sido apontados pelas autoridades é o próprio conceito de moeda global. Especialmente se for desenvolvida pela maior rede social do mundo.

O Facebook tem, atualmente, mais de dois mil milhões de utilizadores mensais. Além do mais, o projeto Libra está a ser desenvolvido em parceria com grandes tecnológicas como a Uber e até a luso-britânica Farfetch. E no rol de parceiros está ainda um duopólio bem conhecido: a Visa e a MasterCard. Estes factos têm levado vários especialistas a apontarem para a hipótese de que o Facebook vá enfrentar oposição regulatória séria neste projeto de criação de uma divisa global para a nova era da internet.

Os próximos meses serão essenciais para responder a todas as questões que se levantam acerca do projeto. O ECO também já fez algumas — há algumas semanas –, mas todas as perguntas enviadas ficaram sem resposta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook quer esclarecer todas as dúvidas sobre a Libra em cerca de seis meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião