Hospitalidade nortenha atrai cada vez mais turistas ao Porto

O número de passageiros a aterrar no Aeroporto Sá Carneiro aumentou 9,1% no primeiro trimestre. Este crescimento é fruto do boom do turismo, ambiente business friendly e hospitalidade nortenha.

É oficial. O número de passageiros a aterrar no Aeroporto Francisco Sá Carneiro não pára de aumentar. De acordo com boletim da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), todos os aeroportos receberam mais passageiros no primeiro trimestre de 2019 em relação ao período homólogo e o Aeroporto Sá Carneiro não foi exceção. Recebeu 2.598.393 de passageiros em comparação aos 2.381.206 recebidos no primeiro trimestre de 2018, um crescimento de 9,1%.

O aumento do número de passageiros a aterrar na Invicta é fruto do destaque internacional que o Porto tem tido nos últimos tempos, ora não fosse o Porto considerado o melhor destino europeu. O boom do turismo, a qualidade de vida, o tempo, a hospitalidade e o ambiente business friendly são fatores que fazem do Porto um destino cada vez mais atrativo.

“O Porto é sem dúvida cada vez mais um destino muito procurado por turistas estrangeiros de todas as idades e de todos os cantos do mundo. A reputação da hospitalidade portuguesa é excelente, ao nível do acolhimento geral, clima, comida e crescente oferta de qualidade ao nível de hotelaria e de atividades de lazer com um cunho tipicamente Português. A excelência no acolhimento e tipicidade do norte de Portugal (não apenas o Porto mas também da região do Douro, Braga, Guimarães e arredores) são sobejamente conhecidos e divulgados além-fronteiras, destaca David Quito, country manager da Emirates.

Segundo dados oficiais da TAP, entre 2017 e 2018, a companhia registou um aumento de 20% de passageiros transportados, ultrapassando pela primeira vez a marca dos dois milhões.

“A TAP tem aumentado o número de lugares disponíveis nos voos de e para o Porto. As perspetivas são igualmente positivas para este ano de 2019”, destaca a companhia em declarações ao ECO. Entre janeiro e julho deste ano, o aumento do número de passageiros foi de 11%, em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundos dados oficiais da TAP, entre este período os principais mercados emissores de viagens com destino ao Porto foram o Brasil (16%), os Estados Unidos (10%) e a França (8%).

A Emirates é o ponto de ligação direto entre o norte de Portugal e a Ásia. Segundo David Quito, a nova rota Porto-Dubai “está a ser um sucesso absoluto e comprovou-se como uma mais-valia”. A companhia, que começou a operar no Sá Carneiro em julho, diz que são os japoneses, árabes, chineses, sul-coreanos, indianos, australianos e neozelandeses as nacionalidades que mais procuram a Emirates para viajar para a Invicta. Segundo o country manager da empresa “o número de passageiros está a crescer significativamente, tanto ao nível do lazer como dos negócios”.

A adesão foi um sucesso absoluto. O lançamento da rota Porto – Dubai veio corroborar o desejo do tráfego turístico oriundo do Médio e Extremo Oriente e também da Oceânia de conhecer o Norte de Portugal e Galiza.

David Quito

Country manager da Emirates

TAP aposta em novas rotas no Aeroporto Sá Carneiro

No próximo ano a TAP vai rever a sua oferta a partir do Porto. Se por um lado, suspende as ligações desde a Invicta para Barcelona e Lyon, alegando que são rotas “com ampla oferta da concorrência”, por outro propõe-se apostar na “novíssima ponte aérea entre Porto e Madrid”. Esta ligação vai contar com seis frequências diárias, o que representa o dobro da oferta atual.

A acrescentar à nova ponte aérea de Madrid a companhia aumenta as ligações entre o Porto e o Funchal com mais um voo diário, passa a voar diariamente do Porto-Newark (EWR) e lança a quarta frequência semanal entre Porto-São Paulo.

Com estes ajustes, a TAP aumenta ligeiramente as frequências no Porto em 2020 e assegura o espaço reconquistado nos últimos dois anos, diz fonte oficial da empresa. Já a Emirates, que começou a voar para o norte apenas há dois meses, diz ao ECO que face ao sucesso na nova rota Porto – Dubai, vai voltar a reforçar a tripulação de cabine em setembro na cidade de Lisboa e Faro.

Unidades hoteleiras no Porto em crescimento

Segundo dados facultados pela Turismo do Porto e Norte de Portugal, em 2017 o Porto oferecia 165 estabelecimentos hoteleiros e em 2018 esse número aumentou para 215, um crescimento superior a 30%. Isto significa que a cidade do Porto tem uma oferta de quartos e de camas em número superior ao número médio de quartos e de camas na Área Metropolitana do Porto. Os hotéis de três, quatro e cinco estrelas, representam 69,4% da quota total, sendo os hotéis de quatro estrelas a escolha mais predominante, no ano de 2018. Face a este crescimento a Câmara Municipal do Porto já anunciou a proibição de novos registos de Alojamento Local em zonas de “contenção”.

Mais que o turismo a cidade do Porto tem vindo a destacar-se pelo ambiente business friendly que oferece. Cada vez mais investidores estrangeiros investem no norte de Portugal. David Quito concorda e salienta que o “Porto tem vindo a cimentar-se como um destino de negócios, sobretudo de tráfego oriundo da Ásia e Médio Oriente”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hospitalidade nortenha atrai cada vez mais turistas ao Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião