Hard Brexit pode tirar 1,2% ao PIB português

Um estudo de um instituto próximo do Ifo alemão defende que os impactos do Brexit podem ser maiores do que o previsto até agora porque há uma integração intensa da rede de produção na UE.

O hard Brexit é um cenário que ganha cada vez mais força à medida que a União Europeia se aproxima do dia 31 de outubro. O Governo português começa a partir da próxima semana a contactar “uma a uma” as 3.871 empresas que no ano passado exportaram para o Reino Unido. O objetivo é acautelar que os negócios destas empresas não são afetados pela saída do Reino Unido da UE, mas o impacto que esta decisão dos britânicos tem na economia portuguesa pode ser mais transversal do que se pensava.

Um estudo publicado pelo CESifo, uma rede de investigação ligada ao Ifo alemão, sediada em Munique, revela que perante um cenário de hard Brexit a economia portuguesa perde 1,2% e o emprego recua 0,7%, o equivalente a mais de 29 mil postos de trabalho. O mesmo estudo mostra ainda que o impacto será mais forte no setor têxtil.

No conjunto da União Europeia, as perdas na riqueza produzida chegam a 1,5% (maiores que as esperadas para Portugal), enquanto no mercado de trabalho o estudo prevê uma redução de 0,6%.

Tanto no PIB como no emprego, em Portugal, a passagem de um cenário de soft Brexit para um hard Brexit equivale a multiplicar por mais de quatro as consequências negativas do acontecimento.

No estudo, os autores argumentam que os impactos económicos do Brexit são superiores ao que se pensava até agora. Esta conclusão encontra explicação no método de trabalho utilizado Hylke Vandenbussche, William Connell, Wouter Simons, três professores do departamento de Economia da Universidade de Leuven, na Bélgica.

“A principal razão é que nossa abordagem incorpora todas as ligações internacionais de entrada e saída a nível setorial de cada país, tanto em bens como em serviços. Tendo em conta que as redes de produção da UE 27 apresentam uma integração estreita, as mudanças nas tarifas não afetam apenas os fluxos comerciais entre qualquer país da UE 27 e o Reino Unido, mas também fluxos comerciais indiretos através de países terceiros”, justificam os autores do estudo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hard Brexit pode tirar 1,2% ao PIB português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião