Holanda prepara alteração da legislação fiscal sobre grupos empresariais

  • Lusa
  • 17 Setembro 2019

A Holanda pode avançar com uma alteração à lei que regula taxação dos lucros das multinacionais, para corrigir a imagem de paraíso fiscal para os grandes grupos empresariais.

O governo holandês deve apresentar esta terça-feira, no reinício dos trabalhos parlamentares, uma modificação da lei sobre a taxação dos lucros das multinacionais, para corrigir a imagem de paraíso fiscal para os grandes grupos empresariais.

Com esta medida, avançada pelos ecologistas e socialistas, que estão na oposição, o governo do primeiro-ministro liberal, Mark Rutte, afasta-se das grandes empresas, que até agora têm sido mimadas nos Países Baixos.

A sua coligação, composta por quatro partidos, está dividida em relação a este assunto. Mas o apoio provável de dois dos partidos da coligação à intenção da oposição será suficiente para alcançar uma maioria.

Oficialmente, o país não está na “lista negra” da União Europeia mas o pequeno reino é um paraíso para a designada gestão fiscal dos grandes grupos.

Hoje, as multinacionais podem declarar quando entenderem as perdas registadas no estrangeiro, as quais são então deduzidas dos seus lucros. Quanto aos ganhos conseguidos no estrangeiro, estes não são considerados nos cálculos.

Assim, conglomerados como Philips, AkzoNobel, Airbus ou Shell – que realizam cerca de mil milhões de euros de lucro cada ano nos Países Baixos – não pagam quase nenhum imposto sobre as sociedades.

A diretora da Shell Pays-Bas, Marjan van Loon, admitiu em maio, em entrevista ao semanário Elsevier, que o grupo quase não pagava este imposto.

A proposta de nova legislação vai dar às empresas um máximo de três anos para declararem as perdas registadas na atividade no estrangeiro, quando até agora não existia qualquer prazo limite.

Esta é uma notável mudança de atitude por parte de um governo dirigido por um liberal que, no ano passado, perante a contestação na esfera política, renunciou a suprimir o imposto sobre os lucros.

Se bem que apanhado de surpresa pelo apoio de partidos governamentais, o dirigente do partido ecologista GroenLinks, Jesse Klaver, congratulou-se rapidamente com o andamento da proposta.

“Se o padeiro paga impostos sobre os lucros, a Shell deve fazer o mesmo”, declarou.

Segundo as estimativas da aplicação da nova legislação, a aplicar a partir de 2021, o conglomerado petrolífero anglo-holandês deve pagar anualmente cerca de 250 milhões de euros de imposto sobre os lucros.

Os Países Baixos quiseram ser e permanecer atrativos para os grandes grupos em termos de fiscalidade. “Mas desde que isto permitiu às multinacionais não pagar imposto (sobre os lucros), percebeu-se que se tinha ido demasiado longe”, afirmou Roel Beetsma, economista na Universidade da Amesterdão.

“O governo respondeu ao apelo crescente da sociedade, segundo a qual é injusto que alguns grupos não paguem impostos sobre os lucros”, disse Beetsma, que salientou também que o Executivo cedeu à “pressão internacional”, aludindo às críticas ocasionais da Comissão Europeia.

“É negativo ver que um grande grupo como a Shell aqui não paga impostos sobre os lucros”, criticou Arnold Merkies, antigo deputado socialista, que hoje coordena a antena da organização não-governamental Rede para a Justiça Fiscal (TJN, na sigla em Inglês) nos Países Baixos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Holanda prepara alteração da legislação fiscal sobre grupos empresariais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião