Já se pode inscrever para votar antecipadamente nas legislativas

Os eleitores recenseados em Portugal podem fazer o pedido para votar antecipadamente entre 22 e 26 de setembro. Quem o fizer vota numa mesa à escolha no domingo antes das eleições.

Estão a aproximar-se as eleições legislativas, que se irão realizar a 6 de outubro. Tal como aconteceu nas europeias de maio, todos os eleitores recenseados em Portugal vão poder pedir o voto antecipado, caso não tenham disponibilidade na data das eleições. Quem o fizer poderá votar no domingo antes das legislativas.

Para poder votar antecipadamente tem de o pedir, na plataforma preparada para tal ou por via postal, entre 22 e 26 de setembro. Justificação não é necessária, sendo que basta ser eleitor recenseado no território nacional para poder exercer o chamado voto em mobilidade.

Se pedir o voto antecipado, pode escolher onde irá votar a 29 de setembro. Vai existir uma mesa de voto antecipado em cada sede de distrito e em cada uma das ilhas das Regiões Autónomas. Quando chegar o dia, terá apenas de se dirigir ao local escolhido, levar um documento de identificação e indicar a freguesia onde está recenseado, que é onde o seu voto vai ser contado.

Aqueles que pediram o voto antecipado mas mesmo assim não conseguirem comparecer, podem ir na mesma votar normalmente no dia 6. Os doentes internados em estabelecimentos hospitalares e os presos não privados de direitos políticos tiveram também oportunidade de pedir o voto antecipado, até 16 de setembro.

O voto antecipado foi alargado a todos os eleitores, sem ser necessário dar justificação, no ano passado. Foi nas eleições europeias, em maio, que o mecanismo foi usado pela primeira vez e foram mais de 19.500 as pessoas que se inscreveram. Acabaram por se formar várias filas para votar nessa altura, sendo que o Governo está a preparar-se agora para conseguir dar resposta aos eleitores. Entre as medidas aplicadas está a escolha de um espaço maior para as mesas de voto em Lisboa e no Porto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já se pode inscrever para votar antecipadamente nas legislativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião