Voto antecipado nas europeias gerou filas. O que vai mudar nas legislativas?

Mais mesas, mais espaço e menos eleitores por mesa são algumas das medidas que estão a ser tomadas para evitar filas no voto antecipado para as legislativas.

Quem não pode marcar presença nas eleições legislativas no dia 6 de outubro pode pedir para votar antecipadamente. A possibilidade foi alargada este ano para todos os recenseados em Portugal. Foram vários os eleitores que o fizeram nas Europeias de maio, sendo que se formaram filas por serem mais do que o esperado. Para evitar um cenário semelhante nestas eleições, o Governo está já a delinear um plano, nomeadamente abrir mais mesas de voto.

Tendo em conta a afluência que se verificou nas eleições Europeias, “estão a ser adotadas medidas, em articulação com as câmaras municipais, que permitam dar resposta ao número de inscrições que vierem a verificar-se para as eleições legislativas”, adianta fonte oficial do Ministério da Administração Interna (MAI) ao ECO.

Em Lisboa e no Porto, onde se formaram mais filas, o número de mesas vai aumentar e “foram escolhidos, pelas câmaras municipais, espaços com maior dimensão”. Na capital, as urnas vão ficar na Reitoria da Universidade de Lisboa. Já na Invicta, quem quiser votar antecipadamente terá de se deslocar ao pavilhão do Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal do Porto.

Outra das medidas para evitar que a situação de filas se repita é diminuir o número de eleitores por mesa. “Cada mesa do voto antecipado em mobilidade terá 500 eleitores inscritos, em vez dos habituais 1.500 eleitores”, aponta o MAI. Nas eleições europeias inscreveram-se cerca de 20 mil pessoas para votarem antecipadamente, sendo que a taxa de afluência foi de 76%.

O pedido para votar antecipadamente pode ser feito entre 22 e 26 de setembro, na plataforma ou por via postal, sendo que a ida antecipada às urnas será a 29 de setembro. Durante este tempo, as câmaras municipais serão informadas duas vezes por dia sobre o número de pessoas inscritas para o voto antecipado no concelho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Voto antecipado nas europeias gerou filas. O que vai mudar nas legislativas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião