5G: Altice diz que “não estão reunidas condições” para cumprir calendário de migração TDT

  • Lusa
  • 24 Setembro 2019

A Altice Portugal refere que "não estão reunidas as condições" para cumprir o calendário de migração TDT e que, por isso, "não poderá ser responsabilizada" por eventuais atrasos.

A Altice Portugal reitera que “não estão reunidas as condições” para que o calendário de migração da faixa 700 MHz da TDT “seja passível de ser executado” e refere que “não poderá ser responsabilizada” por eventuais atrasos.

Esta é a pronúncia oficial da Altice Portugal sobre o sentido provável de decisão (SPD) da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) relativa à migração da faixa 700 MHz da televisão digital terrestre (TDT), essencial para o desenvolvimento do 5G, enviada em 19 de setembro e que a Lusa teve acesso.

“Face ao atraso que hoje se verifica, e considerando que uma decisão final da Anacom sobre a migração da TDT para a faixa dos sub-700 MHz só deverá ocorrer, na melhor das hipóteses, na segunda quinzena de outubro, a Altice Portugal reafirma que não estão reunidas as condições para que o calendário de migração estabelecido no Roteiro Nacional e no SPD seja passível de ser executado, técnica e operacionalmente“, refere a dona da Meo.

De acordo com o sentido provável de decisão aprovado pela Anacom, o processo de libertação da faixa 700 MHz da TDT “demorará cerca de seis meses” e tem início em janeiro no sul do país.

“Perante este cenário de atraso em todo o processo e de ausência de informação detalhada sobre aspetos cruciais do projeto de migração que estão sob a responsabilidade da Anacom, a Altice Portugal reitera que, sendo totalmente alheia às questões assinaladas, não poderá ser responsabilizada por atrasos no calendário de migração da rede TDT para a faixa sub-700 MHz ou por quaisquer problemas relacionados com as campanhas de informação, o atendimento ao utilizador e a prestação de apoio local à população para a ressintonia dos recetores que ocorram na implementação deste projeto”, salienta a empresa no documento.

A operadora afirma que “só poderá proceder às encomendas dos equipamentos e serviços necessários para a migração (que poderão tomar entre três a quatro meses) quando o regulador emitir a sua decisão final sobre o SPD”, o que significa que “os trabalhos de execução da migração no terreno não poderão arrancar na segunda quinzena de janeiro, conforme entendimento da Anacom e, consequentemente, a libertação da faixa dos 700 MHz já irá ocorrer em data posterior a junho de 2020″.

A Altice Portugal considera “totalmente injustificável o atraso na gestão de todo este processo”, apontado o dedo à Anacom, “sobretudo por serem do conhecimento do regulador os prazos de implementação extremamente reduzidos face à complexidade das ações a levar a cabo e os tempos de espera relativos aos fornecedores”.

Defende ser imprescindível “haver certeza jurídica e regulatória sobre a compensação dos custos” em que irá ocorrer esta nova migração, atendendo “à quebra de confiança e aos prejuízos causados no processo de compensação pelos custos de alteração das frequências TDT em 2011”. Isto porque, aponta a Altice Portugal, “só em 2019, oito anos após as alterações de frequências da rede TDT ocorridas em 2011, é que foram definidos os critérios e condições de compensação destes custos”.

Perante isto, a empresa liderada por Alexandre Fonseca reserva-se “no direito de não iniciar os trabalhos sem que a futura portaria do Governo sobre este assunto já esteja aprovada e publicada e que todos os custos incorridos pela Altice em 2011 já tenham sido ressarcidos”.

A Altice considera também “incompreensível” que o regulador “se limite a afirmar que irá contar com a colaboração da Agência de Modernização Administrativa (AMA), da Associação Nacional de Municípios (ANMP) e da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), sem contudo transmitir quaisquer informações concretas sobre as etapas do processo que pretende desenvolver, as ações específicas de comunicação a implementar, os respetivos ‘timings’, nem o papel e/ou envolvimento das referidas entidades”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5G: Altice diz que “não estão reunidas condições” para cumprir calendário de migração TDT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião