Tancos: Ministério Público abre investigação sobre ex-chefe da casa Militar de Marcelo

  • ECO
  • 26 Setembro 2019

O Ministério Público considera que o tenente-general João Cordeiro mentiu ao dizer que não recebeu qualquer email do coronel Luís Vieira.

O tenente-general João Cordeiro não foi acusado no processo de Tancos, mas, agora, o Ministério Público (MP) decidiu extrair uma certidão autónoma ao ex-chefe da casa militar de Marcelo Rebelo de Sousa por falsidade de testemunho. De acordo com o Expresso (acesso livre), vai ser aberta uma nova investigação ao tenente que saiu de Belém um mês depois de terem sido descobertas as armas de Tancos.

Em causa está o facto de o tenente-general João Cordeiro ter negado aos procuradores do caso o recebimento de qualquer email do major Vasco Brazão ou do coronel Luís Vieira. Contudo, depois de recebido o depoimento do tenente, por escrito, a Polícia Judiciária (PJ) apreendeu emails de Luís Vieira para João Cordeiro no sentido de interceder junto de Marcelo Rebelo de Sousa para que a investigação passasse novamente para a esfera da Polícia Judiciária Militar (PJM).

“Não será possível o nosso Presidente, junto da PGR, obter, sensibilizar, para que este inquérito deixe de estar delegado na PJ e sim, como seria correto desde início, na PJM?”, pergunta Vieira num email que trazia em anexo uma parte da investigação sobre Tancos da PJ, que se encontrava em segredo de Justiça.

Assim, o Ministério Público concluiu que o tenente-general João Cordeiro mentiu ao dizer que não recebeu qualquer email do coronel Luís Vieira, um dos homens da PJM que, segundo o MP, planeou a operação paralela de recuperação do arsenal de Tancos.

Além disso, o Ministério Público considera impossível que o diretor da PJM não tenha informado João Cordeiro sobre a recuperação do material furtado. Isto quando o tenente-general disse que soube através da comunicação social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos: Ministério Público abre investigação sobre ex-chefe da casa Militar de Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião