Secretário de Estado do Orçamento acusa PSD de “logro” e de ter números “estratosféricos”

As contas não são novas, mas a adjetivação é. A guerra de números entre socialistas e PSD sobe de tom. Secretário de Estado do Orçamento olha para o programa do PSD e fala de “logro, milagre e magia".

João Leão, secretário de Estado do Orçamento.Paula Nunes / ECO

A cinco dias de eleições, a discussão em torno dos programas eleitorais sobe de tom. Depois de Mário Centeno ter convocado esta semana uma conferência para dizer que existem “4.750 milhões de euros por explicar nas contas que o PSD apresenta no seu programa eleitoral”, agora é a vez do seu secretário de Estado entrar na discussão para acusar o PSD de “logro”.

Num artigo de opinião que assina esta quarta-feira no ECO, João Leão, secretário de Estado do Orçamento, faz as contas para chegar ao mesmo número de Mário Centeno, mas o artigo é acompanhado de críticas violentas ao programa social-democrata e a Joaquim Miranda Sarmento, o responsável pelo programa económico dos social-democratas e mandatário nacional da campanha do PSD.

O “logro destas propostas do PSD”, “exercícios de magia”, “um milagre”, “uma contradição insanável”, uma “verdadeira alquimia” e um “investimento público estratosférico” são algumas das expressões escolhidas pelo secretário de Estado para atacar o PSD, Rui Rio e o economista Joaquim Miranda Sarmento.

No artigo de opinião (que pode ler aqui na íntegra), João Leão diz que “o buraco de 4.750 milhões de euros no défice orçamental” provocado pelo programa do PSD “antecipa cortes nas pensões, salários e SNS”.

“Para compreendermos melhor o logro destas propostas do PSD, vejamos em que se baseia aquele cenário macroeconómico. O PSD prevê um milagre da multiplicação da receita: entre 2019 e 2023, as instituições independentes, como o FMI e o Conselho das Finanças Públicas, estimam um aumento médio da receita total do Estado de 11 mil milhões de euros. O PSD estima, certamente por milagre, que esse aumento seja de 15 mil milhões. Ou seja, a receita que nos prometem cortar é a receita que não existe em nenhuma estimativa independente. A isto chama-se um logro”, escreve o secretário de Estado.

Ainda sobre as contas das receitas do PSD, João Leão fala em “exercícios de magia” que podem resultar em “derrapagens, orçamentos retificativos e cortes nos rendimentos”.

No artigo, o governante compara ainda o programa do PSD com as propostas que Joaquim Miranda Sarmento fez no livro que publicou em janeiro, para falar em “contradição insanável” já que nessa publicação o economista propunha algumas medidas de aumento de impostos.

Sobre o investimento público, que o PSD quer aumentar de 2% para 3,2% do PIB, João Leão afirma que o aumento é “estratosférico” e que “não tem paralelo na Europa”. E aqui volta a fazer uma referência ao livro de Joaquim Miranda Sarmento que defendeu “o contrário”, ou seja, uma redução do investimento público dos atuais 2% para 1,5% do PIB.

FMI e Conselho das Finanças Públicas estimam um aumento médio da receita total do Estado de 11 mil milhões de euros. O PSD estima, certamente por milagre, que esse aumento seja de 15 mil milhões. Ou seja, a receita que nos prometem cortar é a receita que não existe em nenhuma estimativa independente. A isto chama-se um logro.

João Leão

Secretário de Estado do Orçamento

Esta terça-feira, ainda em resposta a Mário Centeno, Joaquim Miranda Sarmento publicou uma nota no site do PSD onde acusa o PS de falta de transparência e responde aos ataques do ministro das Finanças.

As nossas contas e o nosso cenário macro e orçamental é público e debatível. O que não podemos dizer do programa do PS”, acusava o porta-voz laranja para as contas públicas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Secretário de Estado do Orçamento acusa PSD de “logro” e de ter números “estratosféricos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião