André Silva acusa PSD, CDS e PCP de “conservadorismo” que trava a mudança

  • Lusa
  • 4 Outubro 2019

As críticas também não pouparam o BE que acusa de fazer "ginástica suficiente para correr na pista da direita" e o PS, vicando que "nunca aceitará viabilizar" um Governo que queira explorar o petróleo

O porta-voz do PAN, André Silva, afirmou esta quinta-feira que Portugal poderia estar “mais à frente, não fosse a força do travão do conservadorismo ideológico” de PCP, PSD e CDS-PP.

O país “poderia estar mais à frente, não fosse a força do travão do conservadorismo ideológico” do PCP, PSD e CDS-PP, disse André Silva, que discursava no único comício do PAN nesta campanha, em Palmela, acusando o partido de Assunção Cristas de ser “dos partidos mais perigosos e extremistas“.

As críticas de André Silva também não pouparam o Bloco de Esquerda – que acusou de fazer “ginástica suficiente para correr na pista da direita” – e o Partido Socialista, vincando que o PAN “nunca aceitará viabilizar” um Governo que queira explorar petróleo, que decida construir aeroportos antes de fazer avaliação de impacto ambiental, que não apresente medidas sérias de combate à corrupção, ou que continue a ter “vergonha da agricultura biológica”.

Referindo que o PAN foi o partido que “mais sofreu campanhas de ‘bullying’ e desinformação mediática”, André Silva vincou que todos os partidos com assento parlamentar “não têm sido capazes de ler o momento” que se vive e de oferecer “respostas aos desafios” do tempo.

Para o porta-voz do PAN, o problema não se pode resumir “em ser-se de esquerda ou de direita”, considerando que a ideologia traduz-se “em políticas insuficientes e castra a evolução”.

“A ideologia desilude por não acompanhar uma sociedade em permanente movimento”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

André Silva acusa PSD, CDS e PCP de “conservadorismo” que trava a mudança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião