Comporta Perfumes com frasco exclusivo da Vista Alegre

Dois anos depois do lançamento dos Comporta Perfumes, o novo frasco é agora reinterpretado pela Vista Alegre e inspira-se no cais Palafítico.

Há um novo mundo da perfumaria e com marca nacional. Nascida há dois anos, a Comporta Perfumes é toda uma experiência olfativa e sensorial, que recria vivências precisamente do destino Comporta, um lugar especial e “trendy”, na opinião do fundador da marca Pedro Simões Dias, que quis posicionar a marca no território do luxo e das tendências internacionais.

“Em Portugal, marcas destinadas ao segmento de luxo são muito poucas e a Comporta, enquanto região, vai ser a mais relevante marca portuguesa em termos internacionais. Claro que temos alguns vinhos já relevantes, temos a Vista Alegre, alguns arquitetos e marcas de mobiliário que são referência. Mas do ponto de vista de expressividade e notoriedade, para aquele segmento, não será o Douro, nem o Alentejo, nem Lisboa, nem nenhum chef ou marca de vinhos. No mercado do luxo, em termos de referências mundiais, temos, na área do consumo, a Farfetch (que, enfim, não podemos dizer que seja uma marca portuguesa) e haverá, se já não é, a Comporta. Bastava contactar com algumas pessoas em diversos países e analisar a media espontânea internacional, para isso ser intuível, e a compra da Comporta pelo consórcio Berda/Amorim vai ainda consolidar e acelerar esse percurso”, explica o fundador.

A mais recente aposta e investimento trata-se de uma parceria com a Vista Alegre, que criou e produziu um frasco exclusivo, trabalhado ao longo de vários meses pela equipa de designers da marca, chefiada pelo designer Hugo Amado. Como inspiração tiveram a paisagem do Cais Palafítico da Carrasqueira, um entorno de construções de madeira, sendo que, em cada frasco, se encontra a verticalidade dos paus que sustentam o cais. Segundo Pedro Simões Dias, “são poucas as marcas de perfumaria que conseguem criar um frasco que seja, ele próprio, uma representação dos valores da própria marca”. Um desafio que levou a Vista Alegre a compreender o ADN da Comporta Perfumes, “após conversas com o Pedro, visualização do sítio da marca e outras pesquisas relativas à própria zona da Comporta, as suas características e lifestyle, comecei a esboçar ideias. As primeiras ideias que trabalhei foram inspiradas pelas vedações de canas que os veraneantes constroem para se protegerem do vento nas praias selvagens” explica Hugo Amado, Senior Designer Crystal&Glass da Vista Alegre.

Perfumes de nicho, que se diferenciam por serem “criados com óleos essenciais muito raros, com grandes concentrações, com diversos prismas olfativos, que vivem de forma diferente ao longo do dia” e que são desenvolvidos com quatro perfumistas internacionais como conta Pedro Simões Dias: “Trabalhamos com quatro perfumistas internacionais: Luca Maffei, a rising star na perfumaria mundial de luxo; Stéphanie Bakouche, aquela que criou o perfume de que mais gosto de toda a minha coleção de centenas (e agora criou para os Comporta o que está quase logo a seguir); Beatrice Aguilar, em minha opinião com a Patricia Nicolai, a mais elegante perfumista da atualidade; e o Daniel Josier, um senhor da perfumaria de outros tempos”.

Nos planos futuros da marca está a vontade de crescer noutros segmentos, como na “área do ambiente e dos perfumes em óleo e em pomada”. Diversificação e um processo de comercialização da marca “território a território” é a estratégia, como acrescenta o fundador: “Começámos em Portugal e Espanha exatamente ao mesmo tempo. Em Portugal, entre outros, estamos na perfumaria de referência, a Skinlife, mas também na Loja das Meias e uma concept store que adoro a 21PR, ou em hotéis como o Sublime ou o Vila Vita. No estrangeiro, temos a maior implementação: em Madrid estamos em todas as perfumarias de nicho (somo a única marca a consegui-lo), em Barcelona, em Paris, Berlim, Abu Dhabi, etc.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comporta Perfumes com frasco exclusivo da Vista Alegre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião