Marcelo tem “urgência”. Quer indigitar primeiro-ministro antes do Conselho Europeu

O Presidente da República justificou a maratona de audições com o Conselho Europeu da próxima semana e diz que haverá tempo para formar Governo. Da sua parte, garante que tudo fará pela estabilidade.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que “vai fazer tudo para que haja estabilidade” e que ouve os partidos já esta terça-feira porque quer que o primeiro-ministro indigitado ouça os partidos com assento parlamentar antes de tomar uma posição no Conselho Europeu da próxima semana sobre o Brexit.

“Em termos de indigitação da audição dos partidos, que é uma razão de urgência que é o seguinte, na semana que vem há um Conselho Europeu muito importante que é para discutir o Brexit antes do dia 31 de outubro, e conviria que o primeiro-ministro indigitado ouvisse os partidos numa composição diferente do Parlamento, portanto já deste Parlamento acabado de eleger, sobre os temas europeus antes da tomada de posição no Conselho Europeu”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Relativamente às audições desta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa disse que tenciona ouvir os partidos e transmitir uma mensagem clara: “Tal como aconteceu na legislatura anterior, o Presidente vai fazer tudo para que haja estabilidade”, disse.

Sobre um acordo que sustentasse a formação de um Governo semelhante ao da legislatura que agora terminou, Marcelo Rebelo de Sousa disse que essa “não é uma questão para o Presidente da República” e ainda que haverá tempo para o primeiro-ministro fazer as diligências para formar o novo Governo, tendo em conta o tempo que ainda demorará para saírem os resultados relativos à eleição dos deputados pelos círculos de fora da Europa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo tem “urgência”. Quer indigitar primeiro-ministro antes do Conselho Europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião