Galp produz mais petróleo. Refinação e vendas de gás travam

A produção de petróleo acelerou no 3.º trimestre do ano para 124 mil barris diários. Na refinação e distribuição registou-se uma quebra, embora as margens tenham crescido entre o 2.º e o 3.º trimestre

A produção de petróleo da Galp Energia acelerou no terceiro trimestre do ano. Foram produzidos 124 mil barris diários, um aumento de 21% face ao verificado no período homólogo, revelam os dados preliminares da empresa publicados esta terça-feira na Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Pior foi a performance da área de refinação e distribuição, bem como do gás, onde se observaram quebras.

Os dados preliminares do terceiro trimestre do ano dão conta de um crescimento da produção de petróleo em Angola de 7,4 mil barris/dia no trimestre homólogo para 12,7 mil barris por dia, um aumento de 72%. Essa subida é “suportada pelo contínuo ramp-up do Bloco 32″, em Angola explica a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva.

Contudo, o grosso do acréscimo de produção teve origem no Brasil. A atividade de exploração e de produção da petrolífera portuguesa naquele território aumentou em 17%, passando de 94,9 mil barris diários no terceiro trimestre de 2018, para 111,3 mil no mesmo período deste ano. Neste âmbito, a Galp Energia destaca o campo de Lula, no Brasil, “onde a FPSO Lula Extremo Sul atingiu o plateau de produção de petróleo”.

Já na refinação e distribuição registou-se uma quebra de 26% nas matérias-primas processadas e de 33% nas margens, face ao período homólogo, embora face ao segundo trimestre se tenha observado um aumento das margens na ordem de 28%. Já no que respeito às vendas de produtos refinados houve um recuo de 13%, face ao período homólogo.

As quebras de refinação são justificadas pela Galp com o facto de no terceiro trimestre deste ano terem decorrido “operações de manutenção planeadas” na refinaria de Sines, e que se focaram na unidade de destilação atmosférica. É salientada ainda a implementação de projetos de eficiência energética em unidades chave daquela refinaria no âmbito das iniciativas “+$1/boe”. “Adicionalmente, em setembro, verificaram-se restrições operacionais que resultaram na menor utilização das unidades de conversão da refinaria de Sines”, diz ainda a petrolífera.

Já as vendas totais de gás natural ou liquefeito registaram uma quebra de 11%, enquanto as vendas a clientes diretos decresceram 6%. Já as vendas no mercado internacional (“trading”) deslizaram 18% face a igual período do ano passado.

Tratando-se de dados preliminares, apenas a 22 de outubro serão fechados em definitivo os respetivos valores. Nessa data, a petrolífera divulga as contas do terceiro trimestre.

(Notícia atualizada às 7h55)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp produz mais petróleo. Refinação e vendas de gás travam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião