Preços das casas disparam em Portugal. E nos outros países da UE?

Portugal apresentou a quarta maior subida dos preços das casas da União Europeia no segundo trimestre. Mas no resto da Europa apenas um país -- a Itália -- falha a subida de preços.

“Vender cobre ao preço do ouro” foi dito recentemente face à escalada dos preços das casas observada em Portugal. No segundo trimestre do ano, os preços das casas voltaram a disparar, com apenas três países da União Europeia (UE) a registarem incrementos mais acentuados do que no mercado nacional.

Enquanto em Portugal os preços apresentaram uma variação homóloga de 10,1%, na Hungria a subida do preço das casas foi de 14%. Aliás, a Hungria lidera o ranking dos maiores avanços dos preços das casas da UE há quatro trimestres consecutivos. Por sua vez, no Luxemburgo e na Croácia constataram-se aumentos de 11,4% e 10,4%, respetivamente.

Qualquer destes quatro países apresentaram assim ritmos de crescimento que foram mais do dobro do observado na União Europeia: que foi de 4,2%.

O mapa da evolução dos preços das casas no segundo trimestre

Mas há outros Estados-membros a também conseguirem mais do que duplicar o ritmo de crescimento da média da UE. Foi o que aconteceu com a Letónia e a República Checa, onde os valores a que as casas foram vendidas aumentaram 9% e 8,7%, em média, respetivamente.

Aliás, no universo de 27 países da União Europeia (não são disponibilizados dados sobre a Grécia) para os quais o Eurostat disponibiliza números, apenas nove não superam a média europeia de crescimento, sendo que um único apresentou uma evolução negativa nos preços dos imóveis naquele período. Foi a Itália, onde os preços das casas diminuíram 0,2%, rumo negativo que já vem a acontecer pelo menos há dez trimestres consecutivos.

Entre os incrementos de preços mais curtos figuram a Finlândia (0,8%), o Reino Unido (1,4%) e a Roménia (1,8%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços das casas disparam em Portugal. E nos outros países da UE?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião