Vendas de casas recuam. “Há proprietários a vender cobre ao preço do ouro”, alerta APEMIP

O presidente da APEMIP pede aos proprietários para serem mais realistas, referindo que até mesmo os estrangeiros estão mais "cautelosos" na hora de comprar uma casa em Portugal.

Os preços das casas continuaram a subir no segundo trimestre mas, em contrapartida, venderam-se menos casas. Para o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) este cenário já era expectável, dado que há poucas casas disponíveis, e as que existem estão a preços que as famílias não podem suportar. Para Luís Lima, até mesmo os investidores estrangeiros já pensam duas vezes antes de adquirir uma casa em Portugal ao preço que muitos dos proprietários estão a pedir.

As casas ficaram 10% mais caras, entre abril e junho deste ano, face ao mesmo período do ano passado, mostraram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Contudo, as vendas de casas baixaram 6,6%, sendo esta a primeira descida homóloga desde 2012.

“Este ligeiro arrefecimento não é uma surpresa, aliás, já o tinha anunciado na altura, e deve-se sobretudo à diminuição do stock disponível. Há poucas casas no mercado e muitas das que existem não correspondem às necessidades e possibilidades das famílias portuguesas“, diz o presidente da APEMIP, em comunicado.

Alertando para a necessidade de um reajuste dos preços, Luís Lima afirma mesmo que “há muitos proprietários que têm à venda cobre ao preço do ouro, convencidos de que tudo se vende, mas não é bem assim”. E os potenciais compradores, inclusive os estrangeiros, “começam a ser mais cautelosos e a pensar duas vezes antes de avançar com o negócio”.

Neste sentido, o representante das imobiliárias apela a “algum realismo” e a um ajuste dos preços à realidade do mercado e do ativo que se tem em carteira.

Sobre a falta de casas no mercado, Luís Lima acrescenta que “é cada vez mais gritante a necessidade de introduzir stock novo, dirigido para as classes média e média-baixa”, pois “só assim se poderá aliviar preços e dar resposta às necessidades da procura”. “E não adianta dizer que há muitas casas vazias se estas se localizam onde não há procura”, remata o especialista.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas de casas recuam. “Há proprietários a vender cobre ao preço do ouro”, alerta APEMIP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião