O que preocupa os lisboetas? Preço das casas está no topo

Lisboa está quase no fundo do ranking da SCI. Ficou na 76.ª posição, sendo que o preço das casas pesou na classificação. É o que mais preocupa quem vivem na capital portuguesa.

Lisboa está não ficou bem classificada no ranking das cidades mais inteligentes. No meio de uma centena de cidades, a capital portuguesa está quase no fim da tabela. E a culpa? É dos preços das casas. Os lisboetas revelam preocupações com o trânsito, mas também a corrupção, mas a maior dor de cabeça é causada pela subida contínua dos preços das casas.

O Smart Cities Index (SCI), do IMD, mede a forma como os cidadãos avaliam o quotidiano da cidade onde vivem. Na base da avaliação feita, e que colocou a capital na 76.ª posição entre 102 cidades, estão vários indicadores, como o ambiente, a segurança, o acesso à educação e a serviços de saúde. A habitação destacou-se pela negativa.

75% dos lisboetas destacou como principal preocupação o preço das casas. E esta inquietação tem fundamento. Os dados mais recentes publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que os preços subiram 10% no ano passado, enquanto as rendas aumentaram mais de 9% no primeiro semestre deste ano.

Encontrar uma habitação a preços acessíveis tem deixado os lisboetas em alerta. Ao problema da habitação somam-se ainda outras preocupações como o trânsito. Mais de 60% dos lisboetas continua a pensar demasiado nos congestionamentos diários nas ruas, enquanto cerca de 50% referiu a corrupção como uma preocupação. Os transportes públicos (45,9%), a poluição do ar (41%) e o desemprego (39,3%) estão na lista dos tópicos mais preocupantes daqueles que vivem na cidade das Sete Colinas.

As oportunidades de emprego disponíveis e o contributo dos residentes em decisões do Governo local são também outros dois assuntos que deixam os lisboetas pouco animados.

Mas há tópicos que fazem Lisboa brilhar entre as mais de 100 cidades incluídas no estudo. O saneamento público (67,4%) e os espaços verdes (68%) deixam os lisboetas orgulhosos, colocando a capital acima da média. Destaque ainda para as atividades culturais, como bares, espetáculos e museus, referidas por 82,9% dos inquiridos lisboetas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que preocupa os lisboetas? Preço das casas está no topo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião