Lisboa em 76.º no ranking das cidades inteligentes. Singapura lidera

No ranking do IMD sobre cidades inteligentes, a capital portuguesa ocupa a 76.ª posição entre 102 cidades. Lisboa está atrás de São Francisco, Copenhaga, Amesterdão, Londres, Hong Kong ou Madrid.

Lisboa encontra-se na 76.ª posição do novo ranking de Cidades Inteligentes do IMD. A capital portuguesa está bem atrás de grandes cidades, muitas delas europeias, como é o caso de Amesterdão, Paris ou mesmo Madrid, num ranking de 102 cidades que é liderado por Singapura.

O Smart Cities Index (SCI), que pretende medir a forma como os cidadãos avaliam o quotidiano nas suas cidades, coloca Lisboa atrás de Banquecoque, a capital da Tailândia, mas consegue ficar à frente de Roma, por exemplo.

A cidade portuguesa está, contudo, mais para o final de um ranking que tem Singapura no topo. A cidade-estado insular situada ao sul da Malásia lidera o SCI, seguida de Zurique, Oslo, Genebra, Copenhaga, Auckland, Taipé, Helsínquia, Bilbau e Düsseldorf.

Para a realização deste ranking, foram avaliados vários indicadores: o ambiente, a segurança, o acesso à educação e a serviços de saúde, a mobilidade e os transportes públicos, a interação social e a participação cívica, entre outros.

Através das respostas recolhidas pelo Observatório de Cidades Inteligentes do Centro Mundial de Competitividade do IMD em parceira com a Tecnologia e Design de Singapura, o SCI procura cruzar aspetos económicos e tecnológicos com uma “dimensão humana”. A ideia é perceber se os serviços prestados e se as tecnologias inteligentes implementadas melhoraram as vidas dos habitantes.

O IMD sublinha, em comunicado, que a performance económica das cidades inteligentes é “profundamente influenciada pelo contexto”. Isto explica a razão pela qual grandes centros urbanos, como São Francisco e Londres estão no Top 20 do ranking e cidades mais pequenas e com população abaixo dos 500 mil habitantes também conseguem obter pontuações altas, como é o caso de Bilbão (9º).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa em 76.º no ranking das cidades inteligentes. Singapura lidera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião