Dalia Turner, da Feedzai: “Perceber as diferenças de cada um dos países é muito importante”

Ao leme das pessoas da Feedzai, acumulou “pedras no caminho” para construir o seu castelo. O desafio da diretora de recursos humanos global da startup é a experiência de onboarding dos novos membros.

Portugal, Singapura e Canadá. As empresas que constam do currículo de Dalia Turner, global human resources director na Feedzai, registam distâncias de mais de 20 mil quilómetros entre elas. E, à medida que as distâncias vão aumentando, também o número de pessoas que lidera aumenta.

Dalia Turner, diretora de pessoas da Feedzai.

“Trabalhei durante mais de dez anos na Microsoft. Primeiro em Singapura e depois em Portugal, onde fui diretora de recursos humanos”, conta. Antes de tecnológica, o seu currículo conta com passagens pela First Data, JLL, Vitana Corporation e Royal Ottawa Health Group.

Mas a carreira nesta área foi coisa nunca antes projetada na vida da gestora. “Quando entrei na universidade queria ser médica, por isso tenho um diploma na área das ciências. Cruzei-me com a gestão de pessoas quando terminei o ano extra na universidade e acabei a especializar-me em recursos humanos. Adorei os temas e decidi que era nisto que queria trabalhar”, conta à Pessoas.

Graças à diversidade de missões, valores e projetos, e, sobretudo, dos países onde trabalhou e viveu, a atual global human resources director na Feedzai afirma que os destinos diferentes trouxeram inúmeros desafios e, olhando para trás, muitas aprendizagens. “Estamos num mundo que é global. Conheci as condições de trabalho na Ásia, a forma como eles comunicam… E perceber as diferenças no mundo laboral de cada um dos países é muito importante” para liderar equipas, afirma.

O desafio da tecnológica portuguesa apareceu via oferta de LinkedIn. “Já conhecia a empresa do tempo que trabalhei na Microsoft e, quando vi o post no LinkedIn, decidi concorrer, já que me permitiria progredir na carreira e continuar em Portugal, país que eu adoro”, explica. Durante o processo de entrevistas, Dalia teve oportunidade de conhecer melhor a organização, sobre o que a Feedzai quer conquistar no futuro e acerca dos objetivos de crescimento”. “Pensei que tinha ali uma grande oportunidade. (…) É definitivamente uma empresa do futuro”.

Ainda que seja em Portugal que tem a maioria dos seus colaboradores (cerca de 250), a tecnológica já conta, ao todo, com mais de 400 colaboradores. São quatro centenas de pessoas e, todas elas, geridas por Dalia Turner. O tempo é dividido entre o escritório de Lisboa mas não se resume a esta localização, geograficamente falando. É que, além dos três escritórios em Portugal – em Lisboa, Coimbra e no Porto -, a empresa conta com outros três nos Estados Unidos – São Francisco, Atlanta e Nova Iorque – e também em Londres, Hong Kong, Austrália, França, Alemanha e Espanha.

E nem a presença numa empresa recente — criada em 2008, muitos apontam a Feedzai como o próximo unicórnio em ADN português — “apaga” a bagagem que Dalia traz. Em contrapartida, ajudam na função que desempenha na tecnológica portuguesa que desenvolveu, com recurso à inteligência artificial, um sistema de monitorização de risco financeiro, combate à fraude e lavagem de dinheiro. “Na Feedzai sou responsável pela gestão de recursos humanos em todos os países em que estamos presentes”, e isso significa que tanto lidera portugueses, como londrinos ou australianos.

“Como somos uma empresa a crescer globalmente, e não apenas em uma ou duas localizações, o maior desafio é assegurar que cada pessoa que se junta à Feedzai compreende o que significa fazer parte desta empresa extraordinária. Então, há um grande foco na forma como fazemos as coisas, na nossa cultura e em assegurar que a nossa experiência de onboarding é a melhor que podemos providenciar, independentemente do escritório que integrem”, assinala.

À procura de talento… e algo mais

A Feezai trabalha em áreas tão específicas como big data e inteligência artificial o que, para Dalia Turner, constitui um dos maiores desafios da empresa.

“Uma vez que as áreas em que trabalhamos são relativamente novas, encontrar talento com experiência é desafiador”, explica. Tudo porque ao crescimento acelerado se junta a busca de talento muito especializado. “Além das skills tecnológicas, estamos à procura de pessoas que personifiquem os princípios da Feedzai: caráter, subir a fasquia, sentimento de pertença, ganhar juntos-perder juntos e pensar global”, detalha, acrescentando que todas as vagas disponíveis estão atualizadas no site de carreiras da Feedzai. .

“Temos duas equipas de recursos humanos, uma Portugal e outra nos Estados Unidos da América. Nos EUA recrutamos para os EUA e em Portugal recrutamos para Portugal e para o resto dos países onde estamos presentes”, explica ainda a responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dalia Turner, da Feedzai: “Perceber as diferenças de cada um dos países é muito importante”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião