“Nunca houve da nossa parte compromisso para um acordo parlamentar”, diz Jerónimo de Sousa

Jerónimo de Sousa reforça a ideia de que não necessita de um acordo escrito, numa possível solução governativa com o PS, relembrando que nunca houve da parte do PCP um "compromisso".

Jerónimo de Sousa reforça a ideia de que não necessita de um acordo escrito, numa possível solução governativa com o PS, relembrando que nunca houve da parte do PCP um “compromisso para um acordo parlamentar ou acordo de Governo”. Horas antes da reunião com os socialistas, o líder do PCP recorda que a situação atual é diferente daquela vivida há quatro anos.

“Hoje temos um quadro diferente. Independentemente da relação de forças ser idêntica, aqui a diferença substantiva é que nunca houve da nossa parte compromisso para um acordo parlamentar ou acordo de governo”, aponta Jerónimo de Sousa, em declarações transmitidas pelas televisões.

Enquanto em 2015 o entendimento alcançado foi com o objetivo de “desbloqueamento da situação”, e tinha como pano de fundo a exigência do na altura Presidente da República, Cavaco Silva, de existir um acordo escrito para garantir a estabilidade. Agora, PS venceu as eleições e, apesar de não ter maioria absoluta, Marcelo Rebelo de Sousa já disse não precisar do “papel”, tanto queindigitou Costa como primeiro-ministro.

O secretário-geral do PCP apontou ainda o dedo ao PS por, durante os quatro anos que passaram, terem sido “muitas as vezes em que o PS se encostou claramente à direita em questões fundamentais“, como é o caso das PPP, Uber, Banif e legislação laboral. Estes assuntos foram uma “demonstração clara de que não havia nenhum acordo”.

Já no que diz respeito ao encontro desta tarde com António Costa, às 16h00, Jerónimo sublinhou que não pode adiantar um juízo porque “ainda não conhecemos os conteúdos e perspetivas do PS”. Ao contrário não é o caso, apontou, já que as propostas do PCP são conhecidas. “O PS sabe ao que vem”, reiterou.

Os “objetivos imediatos” do partido são, como Jerónimo enumerou, o salário mínimo de 850 euros, o combate à precariedade, o aumento de pensões de reforma, uma rede de creches gratuita para crianças até aos três anos, e o investimento nos serviços públicos, nomeadamente no SNS.

(Notícia atualizada às 11h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Nunca houve da nossa parte compromisso para um acordo parlamentar”, diz Jerónimo de Sousa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião