Clara maioria do Conselho de Governadores do BCE concordou com regresso à compra de dívida

  • Lusa
  • 10 Outubro 2019

Apesar de uma "clara maioria de membros" do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu concordar com voltar a comprar dívida, alguns membros consideraram que os argumentos não eram fortes.

Uma “clara maioria de membros” do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) concordou em voltar a comprar dívida pública e privada da zona euro, indicam as atas da última reunião durante a qual a medida foi aprovada.

As atas da reunião do Conselho de Governadores do BCE de 12 de setembro, publicadas esta quinta-feira, mostram que, apesar desta “clara maioria”, também houve alguns membros que consideraram que os argumentos para regressar às compras de dívida “não eram suficientemente fortes”.

Estes membros consideraram que as compras de dívida eram um instrumento menos eficiente dada a atual compressão dos juros a prazo ou que se trata de “um instrumento de último recurso, que só se deveria implementar numa situação de contingências mais severas e que não estava justificado tendo em conta as perspetivas atuais”.

Um pacote de medidas de estímulo monetário, que não incluísse as compras de dívida pública e privada da zona euro, “poderia ser considerado adequado”, afirmaram alguns membros do Conselho de Governadores.

O BCE deverá voltar a comprar dívida privada e pública da zona euro a partir de novembro, no valor de 20.000 milhões de euros por mês. A entidade também decidiu em setembro que comprará dívida até “pouco antes de começar a subir as taxas de juro”.

O BCE também baixou a taxa de juro de depósito em 0,10 pontos para -0,50%, com o apoio também de uma “ampla maioria” dos membros, e afirmou que espera que as taxas de juro se mantenham no nível atual ou ainda mais baixo até que constate que as perspetivas da inflação convergem de forma robusta com o objetivo, que é uma taxa de inflação abaixo mas próxima de 2%, e que aquela convergência se reflita na inflação subjacente.

A entidade também decidiu emprestar aos bancos a melhores condições durante três anos, enquanto antes tinha dito que os empréstimos seriam a dois anos, e introduziu um sistema pelo qual não cobrará aos bancos uma parte do excesso de reservas.

Alguns membros do BCE consideraram que as condições financeiras já “eram muito favoráveis”, dado que os títulos com vencimento a muito longo prazo são negociados a taxas negativas, e disseram que as decisões do BCE deviam ser tomadas com base na efetivação das medidas e não como sinal para os mercados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clara maioria do Conselho de Governadores do BCE concordou com regresso à compra de dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião