EUA e China chegam a acordo parcial para travar guerra comercial

Depois de uma semana de negociações, o presidente dos EUA anunciou que foi alcançado um acordo parcial com a China que permite travar a escalada na guerra comercial.

O presidente dos EUA anunciou que foi alcançado um “acordo substancial” com a China para travar a escalada na guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo. Este acordo de “primeira fase” vai travar a entrada em vigor de uma leva de tarifas sobre a China que estava prevista para 15 de outubro.

O acordo prevê que a China compre entre 40 mil milhões e 50 mil milhões em produtos agrícolas produzidos nos EUA e o país aceitou também uma série de regras na forma como gere a sua divisa. Além disso, segundo o presidente norte-americano, foi estabelecido um acordo em torno da propriedade intelectual, outro dos temas sensíveis na relação comercial entre as duas nações, avançou o The New York Times (acesso pago).

Responsáveis dos dois países levaram a cabo a 13.ª ronda negocial esta semana, numa tentativa de pôr fim a 18 meses de escalada na imposição de tarifas aduaneiras, que chegaram a um total de 360 mil milhões de dólares no que toca às importações de produtos chineses e ameaçaram atirar a economia mundial para uma recessão. No entanto, este acordo parcial está ainda longe do acordo mais abrangente que tem sido defendido pelo presidente.

A ronda negocial culminou esta sexta-feira com uma reunião entre Trump e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, na Casa Branca. Na expectativa deste acordo, os três principais índices norte-americanos registaram uma alta, com o S&P 500 a ganhar 1,09% e o industrial Dow Jones a valorizar 1,21%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA e China chegam a acordo parcial para travar guerra comercial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião