Costa vai “cumprir mandato, mas ambiente é mais instável”. Terá oposição dos dois lados

Luís Marques Mendes considera que "ninguém pode estar muito satisfeito com os resultados das legisltativas". Costa vai cumprir os quatro anos, mas o "ambiente é mais instável".

O PS venceu as legislativas, mas sem maioria. Procurou acordos à esquerda, mas acabou por decidir fazer uma governação à vista, negociando caso a caso, no Parlamento. Marques Mendes acredita que António Costa será capaz de cumprir os quatro anos do mandato, mas alerta que o “ambiente será muito mais instável”. Vai, diz o comentador, acabar por ser um Governo de “serviços mínimos”.

António Costa terá “piores condições para governar. Ganhou, mas a condições no plano politico e económico não são boas”, afirmou Luís Marques Mendes no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite da SIC.

Costa “vai cumprir o mandato de quatro anos, mas o ambiente é mais instável. Não tem um bloco certo no Parlamento”. E vai governar num “quadro de menos economia. Não é recessão, mas há abrandamento. Tem menos dinheiro para distribuir”.

"[Costa terá] piores condições para governar. Ganhou, mas a condições no plano politico e económico não são boas.”

Marques Mendes

Para Marques Mendes, o novo Governo enfrentará também “mais agitação social”. Costa, lembrou, “teve três anos de folga social. Agora, o PCP vai querer contestar nas ruas”, disse, salientando que “Costa só tinha oposição à direita. Agora, vai ter duas, uma à esquerda e outra à direita”.

Além de tudo isto, o novo Governo vai ter também menor apoio do Presidente da República. “Marcelo [Rebelo de Sousa] foi alguém muito colaborante. Não vai passar a crítico, mas vai ter de ser mais distante. Por causa do episódio de Tancos, mas sobretudo porque o Governo não é tão abrangente”, diz. O Presidente terá, por tudo isto, ter de ser “mais distante”.

Esquerda mais forte? Nem por isso

O PS saiu reforçado, isto quando o Bloco de Esquerda manteve a representação no Parlamento. O PCP, com a CDU, acabou por ser penalizado nas urnas a 6 de outubro. Com esta nova conjugação parlamentar, a esquerda poderá estar mais forte? “Não me parece”, diz Marques Mendes, apontando vários desafios para os partidos de Catarina Martins e Jerónimo de Sousa.

PCP e BE terão várias dificuldades. “Sem geringonça, voltam ao estado anterior. Não é bom para o seu estatuto”, sendo que depois há as autárquicas, em que ambos os partidos terão uma vida difícil. O Bloco não tem poder nas autarquias. O PCP está em perda. Perdeu várias para o PS”.

Mas depois há ainda aquela que Marques Mendes considera ser a questão nuclear: derrubar o Governo. “Vão ter dificuldade. Só se PCP e BE juntarem todos os votos PSD e CDS para o fazerem. Isto leva ao fantasma do PEC 4”, no Governo de José Sócrates.

Direita vai estar sujeita a “chantagens” no Parlamento

Se a esquerda terá uma vida difícil ao longo dos próximos quatro anos, para a direita a perspetiva de Marques Mendes para a direita não é muito melhor, isto numa altura em que tanto PSD como CDS têm de “resolver crises internas” — sendo que no caso do PSD, Mendes acredita que Rio se recandidate contra Montenegro e outros potenciais candidatos à liderança do partido.

“Vão ser sujeitos a chantagens no parlamento. E quando a oposição tem de viabilizar um Orçamento do Estado… isso não lhes dá credibilidade”, nota o comentador, no Jornal da Noite da SIC.

“Outra dificuldade é estarem quatro anos na oposição… No PSD nunca houve um líder na oposição que aguentasse os quatro anos“, remata.

Governo de “serviços mínimos”

A grande conclusão de Marques Mendes é a de que “ninguém pode estar muito satisfeito com os resultados das legislativas”, nem os partidos, nem o próprio país. “Para o país também não é fantástico, É um tempo de instabilidade. Guerra comercial, Brexit, abrandamento da economia, precisávamos de ter um ambiente político mais forte”.

E os portugueses também não ficarão muito satisfeitos com o Governo que António Costa está a montar. Costa sinalizou que ia ficar quase na mesma. Não é um novo governo, antes uma remodelação. Alguns secretários de Estado que passam a ministros. E ministros dos Negócios Estrangeiros e das Finanças passam a ministros de Estado”.

As pessoas gostavam de ter um governo novo. Caras novas, almas novas”. “Precisa substituir ministros. Há ministros cansados, esgotados. Vai promover secretários de Estado. Não podem ser muitos. Dá imagem de circuito fechado”. Em suma, há o risco de ser um “Governo de serviços mínimos. Grandes decisões? O melhor é colocar de lado essas expectativas”, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa vai “cumprir mandato, mas ambiente é mais instável”. Terá oposição dos dois lados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião