Isabel dos Santos “lava que se farta” e o Banco de Portugal “não quer ver”, acusa Ana Gomes

  • ECO
  • 14 Outubro 2019

A antiga eurodeputada Ana Gomes acusou Isabel dos Santos de se endividar porque "ao liquidar as dívidas, lava que se farta", em resposta às declarações da empresária angolana.

Ana Gomes acusou Isabel dos Santos de “lavar que se farta” ao liquidar dívidas, sugerindo que empresária angolana contrai empréstimos junto da banca para depois os liquidar e assim esconder a origem do dinheiro. A antiga eurodeputada apontou também o dedo ao Banco de Portugal por “não querer ver”.

Estes comentários foram feitos na sequência da entrevista da empresária angolana à Lusa, onde Isabel dos Santos explicou que se endivida para investir. Tenho muitas dívidas, tenho muito financiamento por pagar, as taxas de juros são elevadas, nem sempre é fácil também ter essa sustentabilidade do negócio, para conseguir enfrentar toda a parte financeira dos negócios”, disse Isabel dos Santos, respondendo às dúvidas sobre a origem dos seus investimentos.

Ana Gomes, por sua vez, apontou, na sua conta no Twitter, que Isabel dos Santos se endivida muito “porque, ao liquidar as dívidas, “lava” que se farta!”. “E bancos querem ser ressarcidos, só em teoria cumprem #AMLD (Diretiva Anti-branqueamento de Capitais), de facto não querem saber a origem do dinheiro…E o ⁦Banco de Portugal⁩ não quer ver”, acrescentou.

A antiga eurodeputada não se ficou por aqui, reiterando que o facto de a empresária angolana, que apelida de “Pessoa Exposta Politicamente”, ser acionista do Eurobic “dá jeito”. Isto porque este banco “está na rede swift e na Zona Euro”, permitindo “passar por lá para liquidar dívidas junto de outros bancos”, indicou.

Não tem “’due diligences’ pois já circulou por banco da Zona Euro”, sublinhou. Ana Gomes termina o tweet ressalvando novamente que o Banco de Portugal e o Banco Central Europeu “assobiam para ar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos “lava que se farta” e o Banco de Portugal “não quer ver”, acusa Ana Gomes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião