Isabel dos Santos “lava que se farta” e o Banco de Portugal “não quer ver”, acusa Ana Gomes

  • ECO
  • 14 Outubro 2019

A antiga eurodeputada Ana Gomes acusou Isabel dos Santos de se endividar porque "ao liquidar as dívidas, lava que se farta", em resposta às declarações da empresária angolana.

Ana Gomes acusou Isabel dos Santos de “lavar que se farta” ao liquidar dívidas, sugerindo que empresária angolana contrai empréstimos junto da banca para depois os liquidar e assim esconder a origem do dinheiro. A antiga eurodeputada apontou também o dedo ao Banco de Portugal por “não querer ver”.

Estes comentários foram feitos na sequência da entrevista da empresária angolana à Lusa, onde Isabel dos Santos explicou que se endivida para investir. Tenho muitas dívidas, tenho muito financiamento por pagar, as taxas de juros são elevadas, nem sempre é fácil também ter essa sustentabilidade do negócio, para conseguir enfrentar toda a parte financeira dos negócios”, disse Isabel dos Santos, respondendo às dúvidas sobre a origem dos seus investimentos.

Ana Gomes, por sua vez, apontou, na sua conta no Twitter, que Isabel dos Santos se endivida muito “porque, ao liquidar as dívidas, “lava” que se farta!”. “E bancos querem ser ressarcidos, só em teoria cumprem #AMLD (Diretiva Anti-branqueamento de Capitais), de facto não querem saber a origem do dinheiro…E o ⁦Banco de Portugal⁩ não quer ver”, acrescentou.

A antiga eurodeputada não se ficou por aqui, reiterando que o facto de a empresária angolana, que apelida de “Pessoa Exposta Politicamente”, ser acionista do Eurobic “dá jeito”. Isto porque este banco “está na rede swift e na Zona Euro”, permitindo “passar por lá para liquidar dívidas junto de outros bancos”, indicou.

Não tem “’due diligences’ pois já circulou por banco da Zona Euro”, sublinhou. Ana Gomes termina o tweet ressalvando novamente que o Banco de Portugal e o Banco Central Europeu “assobiam para ar”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos “lava que se farta” e o Banco de Portugal “não quer ver”, acusa Ana Gomes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião