Sindicatos de motoristas e patrões já chegaram a acordo

  • ECO
  • 15 Outubro 2019

O texto final da negociação entre a Antram e o Sindicato das Matérias Perigosas deverá ser assinado esta terça-feira.

Depois de ter fechado o processo negocial de revisão do contrato de trabalho com a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) chegou a acordo com o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

Já foi assinado com a Fectrans o texto final, na passada segunda-feira, e os motoristas de matérias perigosas assinaram esta terça-feira, avança o Público (acesso condicionado). Este prevê uma atualização da tabela salarial em 11,1% para os motoristas de pesados.

O acordo traz “aumentos salariais bastante significativos, especialmente no que toca a salvaguardar trabalhadores numa baixa medica, a reforma no futuro, porque é tudo tributável, estamos a falar de salários com descontos de 1.460 euros”, apontou Francisco São Bento presidente do SNMMP, à saída da reunião com Antram, em declarações transmitidas pelas televisões.

No texto são assim consolidados os pontos contidos no memorando de entendimento de 14 de agosto, que, para além da tabela salarial também atualiza “as principais cláusulas pecuniárias” em, pelo menos, 4%, segundo adiantou a Fectrans na passada segunda-feira.

O texto final será analisado pelos órgãos competentes das duas entidades no decorrer desta semana, nomeadamente pelos sócios da Antram, que têm marcado um congresso este fim de semana, e pela direção da Fectrans. “São os procedimentos normais, não deve de haver problemas”, apontou o coordenador geral da Fectrans, José Manuel Oliveira, ao diário.

Francisco São Bento adiantou que o acordo deverá ser assinado antes do final do mês. O Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias também irá reunir, em plenário, neste fim de semana, para discutir o acordo final que vai ser assinado com os representantes das empresas.

(Notícia atualizada às 13h00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicatos de motoristas e patrões já chegaram a acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião