Antram vai tentar resolver processos disciplinares de motoristas de matérias perigosas

Desde a última greve, os motoristas de matérias perigosas têm sido alvo de represálias e processos disciplinares, de acordo com o sindicato. A Antram vai levar o assunto aos associados.

Os motoristas de matérias perigosas e os patrões voltaram a reunir-se esta quarta-feira no rescaldo da greve que esteve convocada para setembro. À saída do encontro. a Antram comprometeu-se a tentar resolver as represálias e processos disciplinares aplicados aos trabalhadores, na reunião com o sindicato dos motoristas de matérias perigosas. Francisco São Bento, porta-voz do SNMMP, disse que estão “no bom caminho para atingir objetivos de interesse mútuo”.

O sindicato indica que desde a última greve os motoristas têm sido alvo de represálias e processos disciplinares, sendo que pediu à Antram para resolver a situação. O pedido foi respondido com a garantia de que iriam “diligenciar perante associados para que situações sejam resolvidas”, explicou o líder do sindicato, em declarações transmitidas pelas televisões.

À saída da reunião, André Matias de Almeida, porta-voz da Antram, disse desconhecer os processos disciplinares e seus fundamentos, sendo que “não é função da Antram porque não representa os departamentos jurídicos das empresas”. Mesmo assim, explicou que têm disponibilidade para levar a questão aos associados.

Da reunião entre as duas partes saiu também a calendarização dos próximos encontros, sendo que não foram ainda discutidas questões relacionadas com as reivindicações dos motoristas. “Está tudo em aberto, está tudo em cima da mesa”, salientou Francisco São Bento, neste “início do reabrir das negociações”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antram vai tentar resolver processos disciplinares de motoristas de matérias perigosas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião