Marcelo recebe influencers em Belém. E torna-se viral no Instagram

  • Mariana de Araújo Barbosa
  • 16 Outubro 2019

Chefe de Estado convidou cerca de 80 influencers para encontro no Palácio de Belém. Ninguém quis perder a fotografia com o Presidente.

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu esta tarde, no Palácio de Belém, em Lisboa, várias dezenas de influencers portugueses, um convite que seguiu para nomes como as Youtubers Sea3po e Mafalda Sampaio (Maria Vaidosa), a blogger Maria Guedes ou a apresentadora Raquel Strada. Rapidamente se tornou viral, tantas foram as publicações feitas nas redes sociais para os muitos milhares de seguidores destes influenciadores.

“Quando o Presidente da República te convida para ires ao palácio debater ideias. Metes o fatinho e vais”, partilhou Raquel Strada no seu perfil de Instagram. “No fim [do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa] tiras uma foto, que eu e as selfies não nos damos bem”, escreveu a apresentadora que conta com 384 mil seguidores. “Agora a sério, muito feliz com o resultado deste encontro e tenho a certeza que estamos todos confiantes que vão sair daqui coisas espetaculares”, rematou.

Já a YouTuber Sea3po afirmou ser “uma honra conhecer o nosso Presidente Marcelo! Mal posso esperar para vos contar sobre a minha tarde”. A influenciadora conta com mais de 364 mil seguidores no Instagram e 808 mil seguidores no seu canal de YouTube.

O encontro com youtubers, bloggers, influenciadores e ativistas digitais surge depois de o Presidente da República se ter reunido com “um grupo de quadros portugueses qualificados, no seguimento de outras reuniões realizadas desde há quase um ano, para os ouvir sobre os vários desafios que se colocam à sociedade portuguesa, quer no plano nacional quer no internacional, tendo nomeadamente em conta as grandes tendências globais e o quadro de incerteza internacional em que vivemos”, informou a Presidência da República em comunicado divulgado a 22 de julho.

Estes encontros juntam elementos de uma geração posterior ao 25 de Abril com “percursos profissionais independentes e nenhuma filiação partidária, estando a trabalhar quer no nosso, quer noutros países” em áreas como a gestão de empresas, o empreendedorismo, na indústria, a cultura, a ciência, o desporto, as artes ou a investigação, entre outros setores e atividades.

O grupo é coordenado por Bernardo Pires de Lima.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo recebe influencers em Belém. E torna-se viral no Instagram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião