Líderes europeus aprovam acordo para o Brexit. “Temos um acordo que permite evitar o caos”

Os líderes europeus aprovaram esta quinta-feira o acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia. Donald Tusk diz que acordo permite evitar o caos e o conflito entre a UE e o Reino Unido.

O Conselho Europeu aprovou esta quinta-feira o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, com o presidente do Conselho Europeu a dizer que a diferença foi a aceitação da Irlanda e que este acordo permite evitar o caos e uma atmosfera de conflito entre a União Europeia a 27 e o Reino Unido.

“Hoje temos um acordo que permite evitar o caos e uma atmosfera de conflito entre o Reino Unido e a União Europeia a 27”, afirmou Donald Tusk numa conferência de imprensa após o Conselho Europeu aprovar o acordo entre a Comissão Europeia e os negociadores britânicos, anunciado esta manhã.

Segundo Donald Tusk, o acordo só foi possível porque a Irlanda aprovou o novo acordo e porque a Comissão Europeia também o fez, o que “garante que o acordo é favorável e seguro para os cidadãos da União Europeia”, e ainda “a aceitação do primeiro-ministro britânico de haver verificações na entrada de bens na Irlanda do Norte”.

“O que sinto hoje é, francamente, tristeza. Porque no meu coração, serei sempre um ‘remainer’. Espero que, se um dia os nossos amigos decidirem voltar, que a nossa porta esteja sempre aberta”, afirmou o presidente do Conselho Europeu.

Numa imagem de unidade do lado europeu, o primeiro-ministro britânico também esteve na mesma conferência de imprensa, juntamente com o presidente da Comissão Europeia e a negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier.

Leo Varadkar explicou que a Irlanda aprovou o acordo porque a solução encontrada garante que haverá verificações na entrada de bens na Irlanda do Norte, mas nos portos, sem barreiras físicas entre o Norte e o Sul, e ao longo da fronteira.

“Temos um acordo financeiro, não haverá uma barreira física entre o Norte e o Sul, e a economia de toda a ilha continuará a desenvolver-se em cooperação entre o Norte e o Sul”, disse o primeiro-ministro da Irlanda.

O primeiro-ministro irlandês elogiou ainda o apoio dos restantes países da União Europeia, dizendo que foi sempre apoiado apesar de ser um país pequeno dentro da União, e que espera agora que o Parlamento britânico e o Parlamento Europeu aprovem o acordo para que a União possa seguir caminho para o próximo capítulo, que é a negociação da relação futura entre os dois blocos.

“Lamento mesmo que o Reino Unido abandone a União Europeia”, disse Leo Varadkar.

E se o Parlamento britânico chumbar este acordo?

Parece ser o tema tabu. Os líderes demonstraram-se cautelosos à entrada sobre o futuro do acordo quando o Parlamento britânico votar no sábado e o presidente do Conselho Europeu manteve essa cautela.

“Agora a bola está do lado do Reino Unido. Não faço ideia qual vai ser o resultado do debate na Câmara dos Comuns no sábado, não devo comentar desenvolvimentos políticos, mas se houver um pedido de adiamento irei consultar os líderes no Conselho Europeu”, disse Donald Tusk.

O presidente do Conselho Europeu disse que a União Europeia está pronta em todos os sentidos para seguir com a ratificação deste acordo e que irá trabalhar nesse sentido.

Donald Tusk e Jean-Claude Juncker foram questionados pelos jornalistas sobre que mensagem deixam aos 48% de britânicos que votaram a favor da manutenção do Reino Unido na União Europeia. Donald Tusk não quis responder à pergunta, mas Jean-Claude Juncker deixou a sua mensagem bastante clara: “Eu gostaria de dizer aos 48% que eles tinham razão”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Líderes europeus aprovam acordo para o Brexit. “Temos um acordo que permite evitar o caos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião