Ponto por ponto, saiba o que diz o acordo de saída do Reino Unido da UE

Os negociadores do Reino Unido e da União Europeia chegaram a acordo sobre o Brexit. São definidas as regras de circulação, nomeadamente entre as Irlandas.

Depois de uma maratona de reuniões, os negociadores do Reino Unido e da União Europeia chegaram a acordo para o Brexit. O texto do acordo e da declaração política finalizados foram já publicados na página da Comissão Europeia, e determinam um conjunto de regras para a circulação de bens e pessoas.

O modelo adotado traça como que uma linha entre a ilha da Irlanda e o Reino Unido. A Irlanda do Norte faz parte do Reino Unido, enquanto a República da Irlanda mantém-se na UE. Mas o texto reforça a necessidade de evitar uma “fronteira rígida”, nomeadamente com infraestruturas físicas ou pontos de controlo, e respeitar o Acordo de Sexta-Feira Santa celebrado em 1998.

Para tal, um dos princípios estabelecidos no acordo para garantir que o mecanismo aplicado está a funcionar e que pode ser mudado é implementar “um processo para garantir consentimento democrático na Irlanda do Norte para a aplicação do direito da União”.

  • Dois meses antes do final do período inicial (quatro anos depois do fim do período de transição), e em qualquer período subsequente, o Reino Unido vai oferecer a oportunidade de consentimento democrático na Irlanda do Norte para a continuação da aplicação destas regulações.

Enquanto o acordo de saída determina o que acontecerá no período de transição, a declaração política define as intenções do Reino Unido e da UE para depois da saída. Na declaração política, que se estende por 27 páginas, é estabelecido que se irá respeitar o resultado do referendo ao cidadãos do Reino Unido em 2016, nomeadamente no que diz respeito ao “desenvolvimento de uma política comercial independente e ao fim da livre circulação de pessoas entre a União e o Reino Unido”.

Grande parte da declaração permanece inalterada em relação àquela ultimada no ano passado, mas desaparece o compromisso com “um relacionamento comercial de bens o mais próximo possível”. Em vez disso, menciona um “Acordo de Livre Comércio”, que não contemple tarifas, referindo a necessidade de estabelecer a igualdade de tratamento.

No acordo, de 64 páginas, cuja maioria é composta por anexos que referem os regulamentos a aplicar, a maior parte dos procedimentos definidos baseia-se na determinação de critérios para a circulação de bens e pessoas entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, nomeadamente a origem e destino final.

Circulação de pessoas

  • O Reino Unido e a Irlanda podem continuar a fazer acordos entre si relacionados com o movimento de pessoas entre os territórios, no que é denominada de “Zona Comum de Deslocação”;
  • O Reino Unido terá de garantir que esta zona e os direitos e privilégios associados podem continuar a ser aplicáveis, sem afetar as obrigações da Irlanda sob a lei da União, “nomeadamente no que diz respeito à livre circulação de e para a Irlanda, para cidadãos da UE e familiares, independentemente da nacionalidade”;
  • O regime deve permitir a entrada e a permanência temporárias de pessoas singulares com fins comerciais em áreas definidas, diz a declaração política;
  • A declaração refere que se põe fim à livre circulação de pessoas, mas as partes vão estabelecer mecanismos de mobilidade, que podem contemplar viagens sem visto para visitas de curta duração, condições de entrada e permanência para fins como investigação, estudo, estágios e intercâmbio de jovens.

Circulação de bens e serviços

Ficou determinado que uma Comissão Conjunta irá decidir certos aspetos da circulação entre as regiões, nomeadamente critérios para a passagem de certa mercadoria.

  • Tal como sempre foi exigido, a Irlanda do Norte faz parte do território aduaneiro do Reino Unido, e estará assim incluída em quaisquer acordos que o bloco faça com outros países, “desde que não prejudiquem o protocolo”;
  • Mercadorias levadas para a Irlanda do Norte de outra parte Reino Unido por transporte direto não pagam tarifas aduaneiras, a não ser que exista risco de serem posteriormente transferidos para a União, por si ou por parte de outro processo;
  • Bens levados para a Irlanda do Norte de fora da União são considerados em risco de serem subsequentemente transferidos para a União, a menos que se determine que o bem não estará sujeito a processamento comercial na Irlanda do Norte, ou se preencher os critérios que a comissão conjunta determinar;
  • A Comissão Conjunta irá também estabelecer as condições segundo as quais determinados produtos da pesca e da aquicultura, trazidos para o território aduaneiro da União pelos navios com bandeira do Reino Unido e com porto de registo na Irlanda do Norte estão isentos de impostos;
  • São proibidas restrições quantitativas à exportação e importação entre a União e a Irlanda do Norte;
  • As autoridades do Reino Unido serão responsáveis por aplicar a lei da União inscritas no protocolo, no que diz respeito à Irlanda do Norte;
  • As partes “devem incluir disposições para permitir a livre circulação de capitais e pagamentos relacionados a transações liberalizadas no âmbito da parceria económica, sujeitas a exceções”, diz a declaração.

A declaração política fala de uma “parceria ambiciosa, ampla, profunda e flexível, através da cooperação comercial e económica com um Acordo de Livre Comércio equilibrado e compreensivo na sua essência”. Enquanto antes se considerava um acordo que eliminava a necessidade de verificações nas fronteiras da origem dos bens, o documento atual refere a aplicação de regras sobre isto.

Deixa, no entanto, a salvaguarda de que, “quando as partes considerarem seja de interesse mútuo durante as negociações, o relacionamento futuro pode abranger áreas de cooperação além das descritas nesta declaração política”.

“A União e o Reino Unido concordam que a prosperidade e segurança são reforçadas através da adoção de comércio livre e justo, da defesa dos direitos individuais e do Estado de direito, proteger trabalhadores, consumidores e meio ambiente, e estar juntos contra ameaças a direitos e valores“, lê-se na declaração política firmada entre as duas forças.

A declaração contempla também a possibilidade da participação do Reino Unido em programas da UE, em áreas como ciência e inovação, cultura e educação, sendo que deve “incluir uma contribuição financeira justa e apropriada, disposições que permitam uma boa gestão financeira por ambas as partes e tratamento justo dos participantes”.

Fica ainda explícita a intenção do Reino Unido de explorar opções para um futuro relacionamento com o grupo Banco Europeu de Investimento.

Veja aqui o acordo completo para o Brexit.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Ponto por ponto, saiba o que diz o acordo de saída do Reino Unido da UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião