Subir salário mínimo para 700 euros é “perfeitamente razoável”, diz António Saraiva

  • ECO
  • 20 Outubro 2019

António Saraiva já começou a discutir com o Governo indigitado a evolução do salário mínimo, nos próximos quatro anos, e salienta que uma subida de 100 euros para 700 euros mensais seria "razoável".

Aumentar o salário mínimo nacional dos atuais 600 euros para 700 euros até ao final da próxima legislatura — isto é, no prazo de quatro anos — seria “perfeitamente razoável”. Quem o diz é o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), que revela, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago) e à Antena 1, que já começou a discutir o assunto com o Governo indigitado.

António Saraiva vai mais longe e sublinha que, se a economia permitir, seria “até desejável que pudesse ser mais”. “Cem euros durante a legislatura? Parece-me perfeitamente razoável, mas não estou com isto a amarrar a minha organização a que assim seja. Até podem ser surpreendidos. Se a economia o permitir, até seria desejável que pudesse ser mais”, frisa o patrão dos patrões.

À saída de uma reunião com o primeiro-ministro indigitado, há duas semanas, António Saraiva já tinha adiantado que vê a remuneração mínima garantida a “progredir positivamente”, mas salientou que tal evolução tem de acontecer “em condições que a economia suporte”. O presidente da CIP defende, por isso, que o crescimento em causa tenha por base “indicadores mensuráveis”, como a produtividade, a inflação, o crescimento económico.

Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, António Saraiva volta a insistir nessa ideia e acrescenta que seria positivo ter uma meta até ao final da legislatura para que as empresas se possam preparar. “Na última legislatura o salário mínimo subiu substancialmente e as empresas lá o absorveram porque previamente era conhecido que em 2019 atingiria 600 euros e as empresas foram-se preparando para esse caminho“, diz.

Saraiva remata, adiantando que já está a debater esta matéria com o Governo indigitado para encontrar “o melhor caminho” para esta discussão.

De notar que o programa eleitoral do PS não fixa valores para o aumento do salário mínimo, tendo o primeiro-ministro defendido que essa meta tem de ser avaliada e negociada em Concertação Social. Ao longo dos últimos quatro anos, a remuneração mínima garantida passou de 505 euros para 600 euros mensais.

Ana Mendes Godinho com pasta do Trabalho foi “uma surpresa”

António Costa escolheu Ana Mendes Godinho para substituir Vieira da Silva na liderança do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o que “surpreendeu” António Saraiva. “A surpresa vem, para mim, do ministério do Trabalho. É a surpresa de quem ocupa a pasta”, diz o presidente da CIP, em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1. “Não posso dizer se é [uma surpresa] agradável ou desagradável. É surpresa porque não era expectável que fosse a anterior secretária de Estado do Turismo a ocupar esta pasta”, acrescenta.

António Saraiva não põe em causa o currículo ou a competência de Ana Mendes Godinho, referindo que lhe dará “o benefício da dúvida”.

“O seu currículo de facto aponta nesse sentido, é um quadro superior do Ministério do Trabalho e por isso não vou discutir o currículo, também não vou discutir a sua competência. Vamos esperar, vamos dar o benefício da dúvida porque, como tenho dito – entre os parceiros sociais não sou apenas eu a dizê-lo – o que importa são as políticas, os objetivos que o ministério traça, mais do que a pessoa que comanda o ministério“, conclui.

(Notícia atualizada às 14h18 com declarações de António Saraiva sobre Ana Mendes Godinho)

Comentários ({{ total }})

Subir salário mínimo para 700 euros é “perfeitamente razoável”, diz António Saraiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião