Seguradora ganha processo sobre acidente com moto

  • ECO Seguros
  • 22 Outubro 2019

Após percorrer todas as instâncias, o Supremo Tribunal de Justiça deu razão à seguradora quanto à responsabilidade da família sobre acidente provocado por um filho menor.

Três tribunais estiveram envolvidos numa decisão sobre um acidente que envolveu uma moto e um veículo ligeiro. A Tranquilidade, que tinha pago 30 mil euros como indemnização, viu dois deles darem-lhe razão.

A história é contada no jornal Expresso. Tudo começa com um acidente entre uma moto, que seguia por uma estrada principal na localidade de Duas Igrejas, em Penafiel, e um veículo ligeiro se apresentou pela direita num cruzamento. O condutor da moto não conseguiu parar e embateu no carro.

O acidente originou um ferido que teve alguns ferimentos de alguma gravidade. Entre outras despesas o seguro pagou cerca de 32 mil euros a este ferido, mas havia um problema: o motociclista tinha então 16 anos e não podia conduzir aquela moto, uma Honda com 125 cm3 de cilindrada.

Começou então uma “batalha” jurídica. A Tranquilidade entrou com uma ação em tribunal para que os pais do adolescente devolvessem o dinheiro que foi adiantado para fazer face às despesas. O argumento da seguradora foi o de que os pais não tinham cumprido o dever de vigilância e por isso tinham de se responsabilizar pelos estragos causados pelo filho, apesar de este já ter 16 anos e ser imputável perante a lei.

O primeiro tribunal que analisou o caso decidiu a favor dos pais, mas a Tranquilidade recorreu para o Tribunal da Relação que lhe deu razão porque o condutor não tinha habilitação para conduzir o veículo segurado, logo a responsabilidade era dele.

De acordo com o Expresso os pais recorreram para o Supremo Tribunal de Justiça, que voltou a dar razão à seguradora e com um novo argumento: os pais tinham o dever de vigiar o filho, pois vivia com eles, e o acidente só aconteceu porque esse dever não foi cumprido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradora ganha processo sobre acidente com moto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião