Área Metropolitana de Lisboa autoriza aumento da oferta nos transportes públicos

  • Lusa
  • 25 Outubro 2019

Operadoras têm desdobrado horários, com a saída, para o mesmo horário, de mais do que um autocarro. "Estamos disponíveis a transformar esses desdobramentos em horários fixos", disse Carlos Humberto.

A Área Metropolitana de Lisboa está a autorizar as operadoras de transportes a aumentar os horários para responderem às queixas de utentes e ao aumento da procura que os novos passes estão a criar desde abril. A informação foi prestada esta sexta-feira à agência Lusa pelo secretário executivo da Área Metropolitana de Lisboa (AML), Carlos Humberto.

“Estamos a passar as autorizações que nos pedem [de novos horários] onde temos sentido aumento da procura” pelo transporte público, afirmou Carlos Humberto à agência Lusa. Entre setembro de 2018 e setembro de 2019, aumentou em 150 mil o número de passageiros dos transportes públicos em toda a área Metropolitana de Lisboa.

Mafra, Montijo, Setúbal e Palmela são os concelhos onde “esse crescimento é mais significativo” e onde as operadoras de transportes têm tido mais dificuldade em responder a esse aumento de procura, indicou o responsável.

Os montantes que as operadoras estão a receber da AML para as compensar da redução no valor dos passes, e que foram calculados de acordo com o aumento da inflação e de acordo com uma estimativa de aumento de 15% na procura dos passes mensais, “foram claramente ultrapassados para os 25,5%”, acrescentou.

Sem conseguir antecipar esse aumento da procura, as operadoras têm vindo a fazer “desdobramentos” de horários, com a saída, para o mesmo horário, de mais do que um autocarro, no caso dos transportes rodoviários. “Estamos disponíveis a transformar esses desdobramentos em horários fixos”, afirmou Carlos Humberto.

Para fazer face ao aumento, a AML já aumentou em mais 1% o financiamento às operadoras e “está disponível para distribuir parte das receitas dos passes e pagar aos operadores em função do aumento da procura, que já não é uma expectativa, mas uma realidade”, disse.

Fazem parte da Área Metropolitana de Lisboa os concelhos de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.

Em Mafra, os utentes das carreiras Mafra/Lisboa já subscreveram uma petição contra autocarros lotados e a pedir o reforço da oferta para fazer face ao aumento da procura após a redução do valor dos passes mensais.

O “autocarro e respetivo desdobramento, juntos, não conseguem transportar todos os passageiros” que ficam a aguardar nas paragens pelo transporte seguinte, refere a petição. Muitos passageiros estão a chegar tarde a Lisboa, quer para trabalhar ou estudar.

Segundo o diretor da Mafrense, Nuno do Carmo, os dados apontam para um aumento de passageiros de 100% na Ericeira e de 60% na Malveira e na Venda do Pinheiro, por comparação com há um ano. Na sequência das queixas, os vereadores do PS em Mafra reuniram-se com o Grupo Barraqueiro e vão solicitar uma reunião à AML para pedir soluções.

O Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART) introduziu na Área Metropolitana de Lisboa e na Área Metropolitana do Porto um novo passe único, que entrou em vigor em abril, permitindo combinar viagens num único título que custa 30 euros se for de âmbito municipal e 40 euros no caso de abrangência metropolitana.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Área Metropolitana de Lisboa autoriza aumento da oferta nos transportes públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião