Cecília Meireles: “O CDS é um partido habituado a resistir em tempos difíceis”

Cecília Meireles é a nova líder parlamentar de um CDS reduzido a um quarto do tamanho, mas diz que os deputados vão trabalhar para valer por muitos. Grupo de apoio vai ter de encolher, admite.

Depois do mau resultado alcançado nas eleições de 06 de outubro, que resultou numa redução de 18 para cinco deputados eleitos para o Parlamento e a saída da líder do partido, a deputada do CDS-PP Cecília Meireles foi escolhida para liderar o partido no Parlamento e diz que os deputados centristas não vão baixar os braços.

“Somos um partido habituado a resistir em tempos difíceis e, agora que temos um grupo parlamentar com apenas cinco deputados, faremos todos os dias o trabalho, o esforço e vamos arregaçar as mangas para que cada um desses deputados valha por muitos”, disse a nova líder parlamentar do CDS, que sucede a Nuno Magalhães no cargo, um dos deputados que não foi eleito.

Cecília Meireles diz que foi eleita com os cinco votos dos cinco deputados — que a inclui –, mas também que foi a única candidatura depois de uma conversa entre o grupo.

“Um bom político é aquele que está aqui para cumprir um dever. Naturalmente que esta fase tem dificuldades, mas não só temos a obrigação de as assumir, como sinto-me honrada por terem confiado em mim para liderar o grupo parlamentar”, disse.

Cecília Meireles admitiu também que o posto pode ser temporário, uma vez que o partido “está numa fase de transição” e terá um congresso para eleger uma nova liderança, que pode querer escolher uma nova liderança para a bancada.

Questionada sobre notícias na comunicação social sobre uma redução de custos no partido, com o despedimento de colaboradores e encerramento de instalações, a deputada disse que apenas se podia pronunciar sobre o grupo parlamentar e, nesse sentido, admitiu que não poderá continuar a ter o mesmo número de trabalhadores no grupo de apoio, uma vez que a estrutura também foi reduzida de forma significativa.

“Estamos num processo de formação de um grupo de apoio que é de um grupo parlamentar de cinco deputados e não de um grupo parlamentar de 18 deputados. Há muitas pessoas, que são profissionais competentíssimos, cujo trabalho admiro muito, de quem eu gosto muito, com quem não poderei contar, sim. Tenho muita pena, mas as pessoas sabem”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cecília Meireles: “O CDS é um partido habituado a resistir em tempos difíceis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião